-Publicidade-

Especialistas vão rebater estudos contra a cloroquina

Especialistas vão rebater estudos contra a cloroquina
Hidroxicloroquina | Foto: Divulgação/EMS
Hidroxicloroquina | Foto: Divulgação/EMS | hidroxicloroquina, estudo, covid-19, coronavírus, tratamento - cloroquina - ministério da saúde - tcu

Grupo é composto de 37 estudiosos, entre eles brasileiros

especialistas
Hidroxicloroquina | Foto: DIVULGAÇÃO

Um grupo de 37 especialistas brasileiros, ingleses e americanos divulgou neste sábado, 22, uma carta para contestar ensaios clínicos publicados em renomadas revistas científicas sobre o tratamento precoce da covid-19 com a hidroxicloroquina. A equipe que redigiu o documento é composta de estatísticos, matemáticos e médicos, oriundos de instituições como Universidade de São Paulo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Federal de Pernambuco, Universidade de Chicago, Universidade de Paris e Universidade de Oxford. Estão na mira dos estudiosos trabalhos publicados em periódicos importantes: New England Journal of Medicine, Annals of Internal Medicine, Clinical Infectious Diseases.

Leia também: “A solução que venceu a ideologia”, reportagem publicada na edição n° 4 de Oeste

Essas pesquisas garantem que testaram o uso da hidroxicloroquina em adultos com covid-19 em fase inicial (portanto, não hospitalizados) e concluíram que não foi observado benefício no uso do remédio entre os pacientes. Conforme os signatários da carta, porém, os dados dos ensaios publicados até agora mostram, na verdade, efeitos favoráveis nos grupos que receberam a terapia, principalmente nos pacientes de maior risco, como os idosos, onde a ação foi até três vezes maior que nos jovens. Mas como a maioria das amostras era formada por jovens sem comorbidades, os estudos seriam estatisticamente inconclusivos, e, dessa forma, haveria ainda uma incerteza razoável sobre os resultados.

Leia a carta

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 comentários

  1. A primeira medida q Bolsonaro deveria fazer é retirar o Brasil da OMS. E a sociedade deve se unir e pedir punição dos responsáveis pelas mortes causadas por um monte medidas q foram criadas contra o uso da cloroquina. Medidas judiciais, manifestação de associações bancadas por laboratório, uso d receita médica, ampla divulgação p o não uso do medicamento. Essas pessoas deverão responder por não deixar o povo se tratar no início. Mandetta é o primeiro deles.

  2. Mandetta tem que ser preso por causa dele milhoes de pessos morreram por ele negar o uso da cloroquina o que o mandeta fez no brasil foi um genocidio e ele ta querendo se safar da merda que ele fez e fica jogando a culpa no Bozo

  3. Como tem muita coisa para comentar, vocês não estão sabendo o que o povão tá fazendo. Aqui na região já é costume e as pessoas sabem, que nos postinhos de saúde estão sendo fornecidas receitas para as pessoas tomarem vitamina D, zinco e Ivermeticina. Dizem que serve para prevenir a circulação de vírus. Pelo menos o pessoal está comprando nas farmácias e acredita que tomando o vírus, pelo menos não replica. Ou seja, quem pega o vírus e toma o remédio não passa a doença para outras pessoas…. Eu mesmo já conferi que em cinco farmácias próximas a minha casa, todos os funcionários já tomaram as doses desses medicamente, incluindo minhas duas cunhadas que não usam máscara e sempre andava dizendo que era uma gripezinha…. O número de casos diminui nos últimos dias. E meu médico recomendou porque ele também está tomando… Ou seja, vocês falam de um remédio, mas é outro que está circulando.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês