Medicamento remdesivir tem apresentado ótimos resultados contra o coronavírus

Estão sendo avaliados 397 pacientes hospitalizados com sintomas graves da doença
-Publicidade-

Estão sendo avaliados 397 pacientes hospitalizados com sintomas graves da doença

-Publicidade-

Um novo estudo com o medicamento remdesivir, agora envolvendo um número maior de pacientes, tem mostrado ótimos resultados no combate ao coronavírus. Os dados da pesquisa foram apresentados nesta quarta-feira pela gigante da biotecnologia Gilead Sciences, produtora do remédio, que até então era usado no tratamento do ebola.

O estudo inclui 397 pacientes e avalia a segurança e a eficácia do medicamento em tratamentos de cinco e 10 dias em pessoas hospitalizadas com sintomas graves de coronavírus. “Entendemos que o estudo alcançou seu objetivo primário e que o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) fornecerá informações detalhadas em breve ”, afirmou a empresa, num comunicado.

Os testes mostraram que os pacientes que tomaram remdesivir se recuperaram mais rapidamente do que aqueles que usaram placebos. Além disso, 62% dos doentes tratados precocemente receberam alta do hospital, em comparação com 49% daqueles tratados tardiamente.

Os primeiros ensaios clínicos envolveram 125 pessoas num hospital de Chicago. Quase todos os pacientes que foram tratados com remdesivir tiveram “recuperação rápida de febre e de sintomas respiratórios” e receberam “alta em menos de uma semana”.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

  1. Boas notícias que a gente só vê por aqui. Qto mais matérias saírem aqui na Revista Oeste, menos necessidade de buscar informações nessa mídia fisiologista.

    1. Notícia promissora nos alenta! Pode ser e pode não ser esse! É uma esperança.

      Embora o q vemos é o fato de os medicamentos atuais já curarem. A questão é “tudo depende”! Depende de timing, comorbidade, identificação etc

      Obrigada

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site