-Publicidade-

Médico que alertou o mundo sobre o coronavírus é lembrando em rede social chinesa

A ditadura chinesa tentou desacreditar o Dr. Li Wenliang
O médico Li Wenliang | Foto: Reprodução/Redes Sociais
O médico Li Wenliang | Foto: Reprodução/Redes Sociais
O médico Li Wenliang | Foto: Reprodução/Redes Sociais

No dia 6 de fevereiro de 2020, às 15h58 (2h54 da manhã do dia 7, em Wuhan, China), morreu o Dr. Li Wenliang. Vítima da covid-19, ele foi um dos primeiros médicos a alertar o mundo sobre o SARS-CoV-2: o novo coronavírus. Hoje, passado um ano de sua morte, uma chuva de emojis e velas virtuais apareceram em sua conta, ainda ativa, no Weibo — rede social similar ao Twitter autorizada pelo governo ditatorial da China.

Veja o painel de Oeste com a evolução da pandemia causada pela covid-19 no Brasil e no Mundo

No dia 30 de dezembro de 2019, Li fez um relatório a colegas de profissão sobre sete pacientes internados em Hubei (capital de Wuhan) com sintomas semelhantes à Síndrome Respiratória Aguda Grave que matou mais de 700 pessoas no início dos anos 2000. Quatro dias depois, a ditadura chinesa tentou desacreditá-lo — agentes do Escritório de Segurança Pública o obrigaram a assinar um documento com a acusação de “divulgar informações falsas” que “causaram distúrbios graves à ordem social”.

“Nós o alertamos solenemente: se você continuar sendo teimoso, com essa impertinência, e mantiver sua atividade ilegal, será levado à Justiça. Está entendido?”,  seguido de uma declaração à mão feito por Li: “Sim, entendi”.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês