-Publicidade-

Cota racial em universidade ‘estimula a fraude’ e ‘acirra o ressentimento’, diz presidente de fundação

Sérgio Camargo pega exemplo de alunos expulsos da Universidade de Brasília (UnB) por terem fraudado o sistema de cotas
Cota racial deve acabar, defende presidente da Fundação Cultural Palmares | Foto: REPRODUÇÃO
Cota racial deve acabar, defende presidente da Fundação Cultural Palmares | Foto: REPRODUÇÃO | cota racial - fundação cultural palmares - sérgio camargo - cotas

Sérgio Camargo pega exemplo de alunos expulsos da Universidade de Brasília (UnB) por terem fraudado o sistema de cotas

cota racial - fundação cultural palmares - sérgio camargo - cotas
Cota racial deve acabar, defende presidente da Fundação Cultural Palmares | Foto: REPRODUÇÃO

O presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, aproveitou o processo de expulsão feito pela Universidade de Brasília (UnB) contra 15 estudantes acusados de forjar o sistema de cotas para se posicionar mais uma vez contra esse tipo de política educacional. De acordo com ele, o sistema de cotas só traz prejuízos à sociedade e aos próprios estudantes.

Leia mais: “Quem é Milton Ribeiro? Saiba mais sobre o novo ministro da Educação

“Acabar com cotas raciais é a única solução definitiva e moralmente aceitável. O sistema estimula a fraude, acirra o ressentimento, fere o princípio da igualdade e rebaixa o mérito”, publicou, assim, no Twitter o chefe do órgão vinculado à Secretaria Especial de Cultura. Nesse sentido, afirma que a caçada ao que chama de “pretos fakes” seguirá em outras universidades federais.

“Fraudes são a consequência inevitável e vergonhosa”

Camargo, entretanto, aproveitou para pontuar que, enquanto a cota racial existir, será preciso investigar e punir quem tentar forjar tal regra educacional. O presidente da Fundação Cultural Palmares afirma que, mesmo com ações punitivas, os problemas ocorrerão devido à natureza do ponto. “As fraudes são a consequência inevitável e vergonhosa deste sistema, são seu efeito colateral”, afirmou.

Outro tipo de cota

Por meio de seu perfil na rede social, Sérgio Camargo demonstrou ser contra a cota racial, mas se colocou favorável a outro tipo de ação. Conforme seu entendimento, “cotas devem ser socioeconômicas”. Com quase 4 mil curtidas até a tarde de hoje, boa parte dos internautas concorda com a extinção de políticas relacionadas à raça para ingresso no ensino superior público.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. Parabéns ao Sérgio Camargo pela coragem de sua posição firme contra esse nefasto sistema de cotas raciais. Como um gene não adaptativo que põe em risco uma espécie, a demora na supressão desse teratológico sistema de cotas raciais fatalmente acarretará em uma fragilidade de competência da sociedade brasileira em um mundo cada vez mais complexo e competitivo – sem falar na guerra fratricida que já se verifica na população brasileira.

    1. Os comentários devem ser moderados sim. Tem gente que não te educação para conviver e compartilhar.
      Eles não devem ser censurados, o que é diferente.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.