Cota racial em universidade ‘estimula a fraude’ e ‘acirra o ressentimento’, diz presidente de fundação

Sérgio Camargo pega exemplo de alunos expulsos da Universidade de Brasília (UnB) por terem fraudado o sistema de cotas
-Publicidade-
Cota racial deve acabar, defende presidente da Fundação Cultural Palmares | Foto: REPRODUÇÃO
Cota racial deve acabar, defende presidente da Fundação Cultural Palmares | Foto: REPRODUÇÃO | cota racial - fundação cultural palmares - sérgio camargo - cotas

Sérgio Camargo pega exemplo de alunos expulsos da Universidade de Brasília (UnB) por terem fraudado o sistema de cotas

cota racial - fundação cultural palmares - sérgio camargo - cotas
Cota racial deve acabar, defende presidente da Fundação Cultural Palmares | Foto: REPRODUÇÃO

O presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, aproveitou o processo de expulsão feito pela Universidade de Brasília (UnB) contra 15 estudantes acusados de forjar o sistema de cotas para se posicionar mais uma vez contra esse tipo de política educacional. De acordo com ele, o sistema de cotas só traz prejuízos à sociedade e aos próprios estudantes.

-Publicidade-

Leia mais: “Quem é Milton Ribeiro? Saiba mais sobre o novo ministro da Educação

“Acabar com cotas raciais é a única solução definitiva e moralmente aceitável. O sistema estimula a fraude, acirra o ressentimento, fere o princípio da igualdade e rebaixa o mérito”, publicou, assim, no Twitter o chefe do órgão vinculado à Secretaria Especial de Cultura. Nesse sentido, afirma que a caçada ao que chama de “pretos fakes” seguirá em outras universidades federais.

“Fraudes são a consequência inevitável e vergonhosa”

Camargo, entretanto, aproveitou para pontuar que, enquanto a cota racial existir, será preciso investigar e punir quem tentar forjar tal regra educacional. O presidente da Fundação Cultural Palmares afirma que, mesmo com ações punitivas, os problemas ocorrerão devido à natureza do ponto. “As fraudes são a consequência inevitável e vergonhosa deste sistema, são seu efeito colateral”, afirmou.

Outro tipo de cota

Por meio de seu perfil na rede social, Sérgio Camargo demonstrou ser contra a cota racial, mas se colocou favorável a outro tipo de ação. Conforme seu entendimento, “cotas devem ser socioeconômicas”. Com quase 4 mil curtidas até a tarde de hoje, boa parte dos internautas concorda com a extinção de políticas relacionadas à raça para ingresso no ensino superior público.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.