Covid-19: média diária de contaminações sobe em Serrana (SP)

Cidade participou de um estudo de imunização em massa com a Coronavac
-Publicidade-
A população de Serrana foi vacinada com a CoronaVac
A população de Serrana foi vacinada com a CoronaVac | Foto: Caio Rocha/FramePhoto/Estadão Conteúdo

Em Serrana, no interior de São Paulo, a média de contaminações diárias relacionadas à covid-19 em novembro registra cerca de 21 casos, a terceira maior desde o começo da pandemia — a primeira ocorreu em janeiro (22,7), e a segunda em março (22,3). Os cálculos feitos por Oeste utilizaram os dados consolidados até 9 de novembro, os mais recentes disponibilizados pela prefeitura da cidade.

Em Serrana, praticamente toda a população adulta já estava com o ciclo vacinal completo contra a covid-19 em 11 de abril. Os moradores receberam a CoronaVac, o imunizante desenvolvido pela chinesa Sinovac. A vacinação em massa foi encabeçada pelo Instituto Butantan para avaliar a efetividade do produto.

-Publicidade-

Neste mês, até o último dia 9, não foram registradas mortes relacionadas à doença em Serrana. No entanto, nove óbitos estão em investigação.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Corrigindo meu comentário. Serrana é coronavac, ok,
    Será que a proteção dela existe mesmo, por quanto tempo. De abril pra cá são 7 meses. mas em outubro já estavam subindo.
    Desde o início as inf dessa vacina são confusas. Mas vale saber se ela pode ter contribuído com redução de casos graves. É a vacina mais segura (tecnologia reconhecida) das que temos aqui, portanto, seria uma boa escolha para pessoas com comorbidades, grupos de risco e mais idosas, vejo assim..

  2. Vejo que ao fazer uma reportagem assim se investigue que tipo de população sucumbiu. Foram vacinados mas possuem comorbidades? Como a covid é uma doença inflamatória e as vacinas (coronavac não, mas lá não tem) foram feitas a partir da proteína spike que desencadeia a reação (e que sofre mutação), a vacina pode ter desencadeado reação em pessoas que (sabiam ou não) ter tido a doença. Uma doença que mais de 70% das pessoas não apresentam sintomas, e que pode desencadear resposta inflamatória de graus diversos, dependendo de cada tipo de organismo, e que dependendo da capacidade de resposta de cada organismo (com relação a idade das pessoas, comorbidades, obesidade ou não, histórico de atividade física e etc) ao entrar em contato com o fragmento do vírus que causa a doença; é no mínimo irresponsável que o Estado exija que as pessoas se vacinem. Diria criminoso pois acho mais adequada essa palavra. Qual o real resultado se espera ao vacinar uma pessoa que esteja com altos níveis de anticorpos? A pessoa tem defesa sentinela pra identificar partes do vírus que inclusive não estão na vacina. A reação, dependendo dos moduladores inflamatórios que a pessoa tem, podem desencadear na doença já em fase inflamatória. Não vejo inteligência nessas ações, ao contrário.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.