Covid-19: Vacinação para pessoas com comorbidades causa corrida por atestados

Casos de possíveis 'fura-fila' estão sendo investigados
-Publicidade-
Vacinação contra covid-19: corrida por atestados médicos
Vacinação contra covid-19: corrida por atestados médicos | Foto: Felipe Barros/ExLibris/Prefeitura Municipal de Itapevi

A vacinação contra a covid-19 das pessoas com comorbidades, que atingem cerca de 17,7 milhões de brasileiros de 18 a 59 anos, conforme estimativas do governo federal, provocou uma busca por atestados médicos. Suspeitas de fraudes estão sendo investigadas no Amapá e Paraíba, mas casos de pessoas tentando furar a fila da imunização têm sido relatados também em outros Estados.

No Rio de Janeiro, o prefeito de Barra Mansa, Rodrigo Drable (DEM), contou ter recebido denúncias de atestados e laudos falsos, sendo que parte delas teria vindo de médicos que se recusaram a fornecer os documentos indevidamente, mas souberam depois que um colega acabou fazendo o oposto.

No Pará, uma médica que trabalha na rede pública relata que muita gente se aproveita do fato de ser recém-formada e pede receitas de medicamentos para comorbidades e até mesmo atestados: “A procura aumentou depois que liberaram a vacinação para pacientes que têm comorbidades”. Ela conta que colegas já receberam proposta em dinheiro para fornecer laudos.

-Publicidade-

Leia também: “Auxiliar de enfermagem suspeita de não aplicar vacina é afastada no interior de SP”

No Estado de São Paulo, a prefeitura de Marília informou que moradores da cidade apresentaram receitas de familiares ou falsificadas para conseguirem ser vacinados contra o novo coronavírus. Em Sorocaba, no interior do Estado, um cardiologista relatou que uma paciente, alegando que precisava ser vacinada, pediu um atestado para uma doença que não possui. Insatisfeita com a negativa, ela disse que esperava que ele fosse “mais amigo” e que procuraria um médico “mais compreensivo”. Relatos parecidos também têm sido postados em redes sociais, noticiou o jornal O Estado de S. Paulo.

Em comunicado, a coordenadora de imunização de Marília, Juliana Bortoletto, afirmou que: “Estamos com uma equipe capacitada para analisar essas informações”. Já a Secretaria da Saúde de São Paulo vai realizar o monitoramento dos registros profissionais dos médicos que assinam os documentos: “No sistema Vacivida há um campo para o CRM de quem assina o laudo de comorbidade. Se percebermos, por exemplo, 300 laudos com o mesmo CRM e o mesmo código de doença, vamos alertar o conselho”, afirmou a coordenadora do Programa Estadual de Imunização SP, Regiane de Paula.

No Amapá e na Paraíba, os Ministérios Públicos estaduais e o Federal instauraram procedimentos que continuam sob apuração. Os detalhes não foram divulgados. A prefeitura de João Pessoa (PB), anunciou na semana passada que passaria a imunizar apenas aqueles que apresentem laudos médicos para comorbidades. Uma cópia fica no posto, que será encaminhada para apuração por uma comissão municipal e órgãos de fiscalização.

Leia também: “Botucatu inicia vacinação em massa com imunizante da Oxford”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site