Crédito de carbono: estudo mostra potencial em terra indígena no Acre

Atividades agrícolas no território podem reduzir a emissão de mais de 6 mil toneladas de gás carbônico por ano até 2025
-Publicidade-
Terras dos poianauas, grupo indígena do Acre | Foto: Eufran Amaral/Embrapa Acre
Terras dos poianauas, grupo indígena do Acre | Foto: Eufran Amaral/Embrapa Acre

As terras dos poianauas, grupo indígena no Acre, têm potencial para gerar créditos de carbono, de acordo com estudo feito pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). O levantamento mostrou que os indígenas têm priorizado atividades agrícolas em áreas já alteradas, investido na recomposição de trechos degradados e na implantação e fortalecimento de quintais agroflorestais [manejo de árvores e arbustos juntamente com diferentes produções].

Leia mais: “O sequestro da bandeira ambiental”

Com base nos dados da biomassa florestal, da série histórica de desmatamento de 1988 a 2017, e de inventários florestais, os pesquisadores acreditam que a redução pode evitar a emissão de mais de 6 mil toneladas de gás carbônico por ano até 2025.

-Publicidade-

De acordo com as diretrizes de negociação mundial de créditos de carbono, cada tonelada evitada equivale a US$ 6. Para um período de 20 anos (2006 a 2025), como foi considerado pela pesquisa, esse valor estaria próximo dos R$ 3,9 milhões se convertido pela atual cotação.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro