Cultura Inglesa: divisão de SP amplia operação no Brasil

Grupo passa a deter a marca da escola de idiomas em mais 6 localidades
-Publicidade-
Fachada da unidade de Santo André (SP) da Cultura Inglesa
Fachada da unidade de Santo André (SP) da Cultura Inglesa | Foto: Reprodução/Google Street View

A Associação Cultura Inglesa de São Paulo (Acisp) ampliou o alcance de seus negócios no Brasil. Nesta semana, a empresa fechou negócio para controlar a rede da escola de idiomas no Distrito Federal e em mais cinco Estados: Espírito Santo, Goiás, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Tocantins.

Leia mais: “Empresa de Jorge Paulo Lemann compra 51 escolas de uma só vez”

-Publicidade-

A movimentação se dá porque a Acisp comprou todas as unidades da Cultura Inglesa então administradas pelo grupo Spot Educação, que passará a se chamar Edify Education, informa o jornal O Estado de S. Paulo. Além das unidades paulistas da escola de idiomas, a Acisp já era responsável pela marca na Bahia e em Santa Catarina.

“O mercado de ensino de inglês é bem competitivo, pois não tem barreiras regulatórias”

Diretor-presidente da Acisp, Marcos Noll vê a aquisição como estímulo ao grupo para disputar mercado no segmento. “Vai nos dar mais musculatura e capacidade de investimento e competitividade. O mercado de ensino de inglês é bem competitivo, pois não tem barreiras regulatórias como o ensino superior e a educação básica”, avalia o executivo. “Tem muita concorrência de grandes grupos educacionais e redes internacionais”, prossegue.

Cultura Inglesa no Brasil

A marca Cultura Inglesa está ativa no Brasil desde 1934, com a inauguração de unidade no Rio de Janeiro. Atualmente, a rede conta 169 unidades espalhadas pelo Brasil. Com a movimentação de agora, a Acisp passa a ser detentora de 145 dessas escolas.

Bases da Cultura Inglesa espalhadas por Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Amazonas, Roraima, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí e Maranhão seguirão ativas, mas sob controle de outros grupos.

Leia também: “A formação que deforma”, matéria da editora Branca Nunes publicada na Edição 37 da Revista Oeste

E ainda: “A universidade morta”, de J. R. Guzzo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.