Defesa de Lula recorre de decisão que manteve bloqueio de bens

Advogados também pedem ao STF que todos os procedimentos que envolvam o petista sejam remetidos ao Distrito Federal
-Publicidade-
Lula teve condenações da Lava Jato anuladas pelo ministro Edson Fachin, do Supremo
Lula teve condenações da Lava Jato anuladas pelo ministro Edson Fachin, do Supremo | Foto: Danilo M Yoshioka/Futura Press/Estadão Conteúdo

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) apresentou recurso contra a decisão do juiz titular da 13ª Vara Federal de Curitiba, Luiz Antonio Bonat, que manteve o bloqueio de bens do petista ao enviar para a Justiça do Distrito Federal a ação que investiga supostas irregularidades na compra do terreno para a construção do Instituto Lula.

Leia mais: “Defesa de Lula pede que STF mantenha decisão de Fachin”

-Publicidade-

Segundo os advogados do ex-presidente, a 13ª Vara Federal de Curitiba não poderia ter mantido os bloqueios, pois o Supremo Tribunal Federal (STF) já havia declarado a incompetência da Justiça do Paraná para julgar os processos relacionados a Lula. A defesa do petista também pede ao STF que todos os processos ou procedimentos que envolvam Lula sejam remetidos ao Distrito Federal.

O ministro Edson Fachin, do STF, solicitou na sexta-feira 19 informações à 13ª Vara Federal de Curitiba e determinou que os autos sejam enviados à Procuradoria-Geral da República (PGR) para que esta se manifeste.

Os processos que envolvem Lula foram encaminhados ao Distrito Federal após a decisão do próprio Fachin, que anulou as condenações do ex-presidente no âmbito da Lava Jato, devolvendo os direitos políticos ao petista. O magistrado entendeu que a 13ª Vara Federal de Curitiba não era o “juízo natural” dos casos.

Leia também: “Farra na republiqueta”, reportagem de Silvio Navarro e Cristyan Costa publicada na Edição 51 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.