Deputado pede reforço policial para evitar vandalismo em estátua da princesa Isabel

Marcus Vinícius, líder do PTB na Assembleia Legislativa do Rio, cita ameaças contra o monumento nas redes sociais
-Publicidade-
Estátua da princesa Isabel, em Copacabana, no Rio, vem sendo alvo de ameaças nas redes sociais
Estátua da princesa Isabel, em Copacabana, no Rio, vem sendo alvo de ameaças nas redes sociais | Foto: Flickr

Depois dos ataques de vândalos contra a estátua de Borba Gato, em São Paulo, o deputado estadual Marcus Vinícius (RJ), líder do PTB na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), resolveu tomar uma medida preventiva para evitar episódios semelhantes na capital fluminense.

O parlamentar pediu reforço policial para a proteção da estátua da princesa Isabel — que promoveu a abolição da escravidão no Brasil ao assinar a Lei Áurea, em 1888 —, localizada no bairro de Copacabana. A solicitação do deputado foi motivada por um pedido apresentado pela Juventude Trabalhista Cristã Conservadora do Estado do Rio.

Leia mais: “Justiça revoga prisão de vândalos que incendiaram a estátua de Borba Gato”

-Publicidade-

Segundo a petição apresentada pelo deputado, à qual Oeste teve acesso (veja abaixo), o reforço policial é necessário diante de “diversos relatos em redes sociais de iminentes ataques ao referido monumento, tais como o ocorrido no monumento público ‘Borba Gato’, no Estado de São Paulo”.

“Recebi essa demanda da juventude. É uma preocupação crescente entre os conservadores. A preservação do nosso patrimônio histórico e cultural é uma das prioridades do nosso mandato”, afirmou o parlamentar a Oeste. “Sou de Petrópolis [RJ]. Por ser uma das cidades históricas do Brasil, ela nos convida a uma reflexão profunda sobre a importância do legado histórico nacional. Queremos fortemente impedir que tragédias como a do Museu Nacional se repitam”, completa Vinícius, referindo-se ao incêndio que destruiu grande parte do acervo do museu, em 2018.

Leia também: “Monumento a Marighella amanhece coberto de tinta vermelha”

Petição apresentada pelo deputado estadual Marcus Vinícius, do PTB do Rio | Foto: Reprodução


Borba Gato

O “crime” cometido pela estátua de Borba Gato, em São Paulo, foi representar o bandeirante paulista Manuel de Borba Gato. Os bandeirantes — entre os quais Raposo Tavares, Fernão Dias, Cardoso de Almeida, Anhanguera e outros vários nomes que batizam ruas e rodovias paulistas — foram responsáveis por desbravar o interior do Estado e são acusados de escravizar povos indígenas durante essas incursões.

Leia também: “Ataque contra estátua de Borba Gato reacende debate sobre lei antiterrorismo na Câmara”

Como Oeste informou no início de agosto, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo revogou a prisão preventiva dos vândalos que incendiaram a estátua de Borba Gato. Segundo o juiz Eduardo Pereira Santos Júnior, não existiam elementos para manter a detenção de Paulo Roberto da Silva Lima, o Galo, Danilo Silva de Oliveira, o Biu, e Thiago Vieira Zem, motorista responsável por levar material inflamável até o local da ação criminosa.

Apagamento da história

Em junho de 2020, Oeste publicou uma reportagem sobre os ataques a estátuas e monumentos pelo mundo organizados pelos grupos Black Lives Matter e Antifas. Naquele mês, os amantes do cinema, da arte e da liberdade também foram surpreendidos com a notícia de que …E o Vento Levou, considerado há 80 anos um dos maiores filmes da história, havia sido retirado do catálogo da HBO Max por ser qualificado de racista.

Como escreveu J. R. Guzzo em um artigo publicado na Revista Oeste, “coragem não é enfrentar com risco de vida, como Churchill, a Alemanha nazista e invencível. É censurar E o Vento Levou”. Ou destruir estátuas. Princesa Isabel que se cuide.

Leia também: “A mais recente tentativa de cancelar o passado”

Telegram
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro