Em SC, jovem de 28 anos morre por AVC e família suspeita de efeitos da vacina da AstraZeneca

Pais aguardam resultado de diagnóstico enviado à Europa
-Publicidade-
Advogado foi a óbito 12 dias depois de tomar a vacina contra a covid-19 | Foto: Arquivo Pessoal/Arlene Ferrari Graf
Advogado foi a óbito 12 dias depois de tomar a vacina contra a covid-19 | Foto: Arquivo Pessoal/Arlene Ferrari Graf

O advogado Bruno Oscar Graf tinha 28 anos quando faleceu em 26 de agosto deste ano, em Blumenau (SC). A família suspeita que o jovem foi a óbito por complicações que podem ter sido ocasionadas pela vacina contra a covid-19. Bruno tomou a AstraZeneca 12 dias antes de morrer. O caso está sob investigação e novos exames serão realizados.

Ao ser internado no Hospital Santa Catarina, em 23 de agosto, Bruno teve febre e relatou fortes dores de cabeça. No atestado de óbito, consta que o jovem sofreu uma Trombocitopenia Trombótica Imune e um Acidente Vascular Cerebral. A família alega que o prontuário médico registrava suspeita de que Bruno pudesse estar com covid-19 e dengue.

“Morte de locutora da BBC se deu por complicações da vacina da AstraZeneca, assegura legista”

-Publicidade-

Em entrevista ao site catarinense ND+, a mãe do jovem afirmou que houve demora do hospital para fazer os exames. “Meu marido perguntou para um deles qual foi a causa da morte. E nos responderam: ‘Nós já falamos com vocês'”, disse. “Então, perguntamos: ‘Foi a vacina?’ Ele assentiu com a cabeça. Cada médico dizia não querendo dizer que a causa foi a vacina”, contou.

Arlene explica que a família aguarda o resultado de um exame que pode comprovar que a morte do filho foi por complicações do imunizante. Os pais de Bruno autorizaram o hospital a realizar o diagnóstico, que já foi enviado à Europa para análise. O resultado deve sair em até 15 dias.

Nota da prefeitura

“A prefeitura de Blumenau, por meio da Secretaria de Promoção da Saúde, lamenta o falecimento de um homem, de 28 anos, no último dia 26 de agosto. O Serviço de Vigilância Epidemiológica do município foi comunicado e está investigando com a Diretoria de Vigilância Epidemiológica do Estado as causas da morte. É precoce afirmar que há relação direta entre a causa da morte e a aplicação da vacina contra o coronavírus, cuja 1ª dose foi aplicada em 14 de agosto. O poder público reforça seu compromisso com a transparência e lisura no enfrentamento à pandemia de coronavírus, assim como acontece na Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19, do Ministério da Saúde (MS), e prestará os esclarecimentos necessários após a averiguação científica e médica de todos os fatos.”

Leia também: “Grávida, vacinada e morta”, artigo de Guilherme Fiuza publicado na Edição 60 da Revista Oeste

Telegram
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro