Falsificação de camisas dão prejuízo bilionário aos clubes de futebol

No Brasil, 40% dos produtos comercializados são piratas

A Oeste depende dos assinantes. Assine!

-Publicidade-
Em 2021, das camisas vendidas no Brasil, 22 milhões eram falsificadas
Em 2021, das camisas vendidas no Brasil, 22 milhões eram falsificadas | Foto: Reprodução/Flickr

No Brasil, quase 40% das camisas de times de futebol comercializadas são falsificadas. Os números são de um estudo encomendado pela Associação pela Indústria e Comércio Esportivo (Ápice), entidade formada por grandes empresas do setor de produtos esportivos do mundo, entre elas Nike, Adidas e Puma.

Em 2021, foram vendidos 60 milhões de camisas de times de futebol no Brasil, sendo 22 milhões falsificados. A perda foi proporcional ao lucro. No ano passado, o faturamento das empresas com o comércio de produtos esportivos foi de R$ 9,1 bilhões. O prejuízo chegou à mesma cifra: R$ 9 bilhões. Foram comercializadas mais de 150 milhões de peças falsificadas. Só com artigos de futebol o prejuízo foi de R$ 2 bilhões em 2020, segundo levantamento do Fórum Nacional contra a Pirataria e Ilegalidade (FNCP).

“A diferença de preço entre o produto original e o pirata é um dos elementos que gera essa comercialização em grande escala”, disse Renato Jardim, diretor-executivo da Ápice ao jornal Estado de S.Paulo. Segundo ele, a parte relevante do preço original está na tributação. “Você precisa ter uma política tributária adequada justamente por saber que esse produto é alvo de pirataria.”

-Publicidade-

Atualmente, sobre a produção das camisas incide ICMS e IPI na saída do estabelecimento que fabricou. Sobre a receita de venda, o fabricante recolhe IRPJ, CSLL, PIS e Cofins. Tudo isso encarece o preço final do artigo esportivo, que é repassado ao consumidor. Já quem produz o artigo pirata não paga imposto, muito menos investe em tecnologia e marketing.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. Vejam o mercado de músicas e filmes piratas, que diminuiu consideravelmente com o barateamento causado pelos serviços de streaming, cujos preços são razoáveis. Reduzam o preço das camisas que a pirataria acaba.

  2. Sou contra a falsificação, mas dizer que quem compra uma camisa falsificada por R$ 30,00 compraria a original por R$ 220,00 está sonhando. Portanto, o cálculo da perda de faturamento está errado, quase nenhuma venda da falsificada se tornaria uma venda da original se a falsificação não existisse. Por outro lado, a falsificação divulga o time que de outra forma não seria divulgado.

    1. Exatamente, os preços das camisas oficiais dos clubes estão totalmente fora da realidade da maioria dos torcedores brasileiros. Se os preços das oficiais fossem um pouco mais baixo já diminuiria bastante a venda das piratas.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.