Governo de SP confirma retomada de aulas presenciais obrigatórias

Medida vale para escolas das redes municipal, estadual e privada a partir da próxima segunda-feira, dia 18 de outubro
-Publicidade-
Retomada das aulas presenciais obrigatórias foi anunciada em entrevista coletiva pelo governo do Estado de São Paulo
Retomada das aulas presenciais obrigatórias foi anunciada em entrevista coletiva pelo governo do Estado de São Paulo | Foto: Divulgação/Unsplash

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira, 13, no Palácio dos Bandeirantes, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), confirmou a retomada das aulas presenciais obrigatórias nas redes municipal, estadual e privada a partir da próxima segunda-feira, dia 18 de outubro.

Com isso, na prática, estudantes só poderão deixar de frequentar as aulas de forma presencial mediante apresentação de justificativa médica. Na rede pública de São Paulo, há cerca de 3,5 milhões de alunos distribuídos por mais de 5,4 mil escolas em todo o Estado. O uso de máscara continuará obrigatório nas escolas e haverá distanciamento de 1 metro entre os alunos — a partir do dia 3 de novembro, esse distanciamento mínimo não será mais exigido.

Leia mais: “Volta às aulas presenciais no Estado de SP será obrigatória”

-Publicidade-

“O avanço da vacinação no Estado de São Paulo, assim como os indicadores de queda da covid-19, torna possível e viável a obrigatoriedade dos alunos em sala de aula a partir da semana que vem”, afirmou Doria. “Todos aqueles que são mães e pais estão felizes com a possibilidade de seus filhos retomarem as aulas”, completou o governador. 

O secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, celebrou a retomada das aulas presenciais e reconheceu que o longo período longe das salas de aula causou enormes prejuízos aos estudantes.

As crianças estão com déficit de aprendizagem e uma série de danos psicológicos, como depressão, ansiedade… Nunca foi visto o que está sendo visto no mundo com essa geração. A volta às aulas é um passo fundamental que o Estado de São Paulo está dando”, disse. 

Leia também: “Prefeitura do Rio marca fim do rodízio de alunos nas escolas”

“Não estamos voltando da mesma maneira. As escolas tiveram um alto investimento em reformas”, prosseguiu Rossieli, citando o aporte de R$ 625 milhões feito em 2021. “Acho um absurdo o Estado brasileiro não colocar a educação como prioridade absoluta. Estamos voltando e avançando em todas as áreas, e a educação tem de ser prioridade.”

Vacinação

Durante a coletiva, o secretário de Saúde do governo paulista destacou o fato de 97% dos profissionais da educação na rede estadual estarem totalmente vacinados contra a covid-19. Segundo Rossieli, 90% dos jovens de 12 a 17 anos já receberam a primeira dose do imunizante.

Leia também: “Quase 100 mil alunos ainda não voltaram às aulas presenciais em SP”

“O Estado de São Paulo foi o primeiro a vacinar os profissionais da educação. Isso trouxe uma segurança ainda maior para o que estamos fazendo”, disse o secretário. 

Entrevista: “‘Se pudesse voltar no tempo, jamais teria fechado as escolas’”, diz secretário de Educação de São Paulo

Desigualdade

Como Oeste informou mais cedo, apesar de a maioria dos alunos nas escolas particulares estar presencialmente nas salas de aula todos os dias, o mesmo não ocorre na rede pública. Na estadual, cerca de 70% voltaram, mesmo com o retorno autorizado desde fevereiro. Há casos de pais com medo, mas também adolescentes que preferem ficar no ensino remoto.

Os prefeitos têm autonomia para decidir apenas se as redes municipais vão acompanhar as medidas, mas a estadual e a privada (com exceção das que têm só educação infantil) são reguladas pelo Estado. A capital paulista acompanhará o governo estadual na decisão.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Já ficou bem claro a muito tempo que o governo do estado não está minimamente preocupado em salvar vidas.
    Ofereceu vacina de eficácia duvidosa, promoveu lockdowns insanos no comércio enquanto fechava os olhos aos coletivos absolutamente lotados e agora quer obrigar filhos e netos de pessoas com comorbidades a ir a escola e correr o risco de trazer a doença pra casa. Tudo sempre apoiado pelas certezas da ciência de ocasião/midiática.
    O lockdown generalizado foi um erro tão grande quanto o desrespeito às condições individuais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.