-Publicidade-

Governo diminui projeção do déficit primário

Valor continua um recorde e é 7 vezes maior que o previsto antes da pandemia
O ministro da Economia, Paulo Guedes | Foto: FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL
O ministro da Economia, Paulo Guedes | Foto: FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL | O ministro da Economia, Paulo Guedes | Foto: FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

Valor continua recorde e é 7 vezes maior que o previsto antes da pandemia

governo
O ministro da Economia, Paulo Guedes | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Nesta sexta-feira, 20, o Ministério da Economia diminuiu a projeção do déficit primário em 2020. Inicialmente, estimava-se que o governo federal terminaria o ano com um déficit aproximado de R$ 861 bilhões em suas contas. Entretanto, cálculo mais recente indica prejuízo menor, de R$ 844,6 bilhões — o que evidencia melhora de R$ 16 bilhões.

O novo valor está em linha com o resultado previsto por agentes de mercado na véspera: R$ 844,8 bilhões, segundo o boletim Prisma Fiscal. Com o cenário atual, o déficit público de 2020 deve fechar em 11,7% do Produto Interno Bruto brasileiro.

A diminuição do rombo nas contas públicas acontece graças à projeção do aumento de R$ 4,679 bilhões na receita líquida, e redução de R$ 11,750 bilhões na despesa. O relatório de novembro indica caixa de R$ 1,190 trilhão e gastos de R$ 2,035 trilhões.

Ainda assim, o déficit será recorde. Antes do estado de calamidade pública decretado em decorrência do coronavírus, o Poder Executivo estava autorizado a gastar sete vezes menos: R$ 124,1 bilhões.

Leia também: “Servidores de estatais ganham 13 vezes mais que a média”

 

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês