Guedes garante que, sem aumento salarial de servidores, país volta à trilha do ajuste fiscal

O ministro afirmou que é preciso garantir que os gastos com a Previdência, os juros da dívida e as despesas com o funcionalismo sigam controlados
-Publicidade-
Foto: Ministério da Economia
Foto: Ministério da Economia

O ministro afirmou que é preciso garantir que os gastos com a Previdência, os juros da dívida e as despesas com o funcionalismo sigam controlados

Foto: Ministério da Economia
-Publicidade-

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou neste sábado, 9, que se o presidente Jair Bolsonaro vetar o reajuste salarial do funcionalismo público, o Brasil volta para a trilha do ajuste fiscal em 2021.

“Se o presidente vetar esse aumento, como disse que vai fazer, o déficit fiscal extraordinário por conta das medidas para combate à pandemia fica restrito a este ano”, garantiu Guedes, durante uma videoconferência organizada pelo Itaú BBA.

Guedes afirmou que é preciso garantir que em 2021 os gastos com a Previdência, os juros da dívida e as despesas com o funcionalismo sigam controlados. Ele observou que os dois primeiros itens – ou inimigos, como ele denominou – já estão controlados por conta da reforma da Previdência e pela mudança de política econômica.

O ministro acrescentou que acredita que existe uma consciência hoje no Brasil sobre a necessidade da sustentabilidade fiscal. “O que pedimos agora é que o funcionalismo público faça uma contribuição”, disse.

Guedes garantiu que o governo Bolsonaro não vai aumentar carga tributária. Ele enfatizou que a ideia de saída da crise econômica através de investimento público e impostos não vai acontecer. “Não será conosco”, afirmou.

Ainda voltando a destacar sua contrariedade aos aumentos salariais para o funcionalismo público, aprovados pelo Congresso Nacional, ele disse que “seria um equívoco manter o reajuste aos servidores”. “Não é um caminho razoável”.

* Com informações do Estadão Conteúdo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. Seu sacana!!!Vc sabe q ñ te ouvem, ñ emprestam a pelota e se julgam, ainda, detentores do poder como bem falou o guerrilheiro José Dirceu.
    E agora vc pega toda o funcionalismo público e joga contra o nosso “palhaço querido”? Até SEGUNDA feira próxima, a esquerdalha q aparelha o ESTADO, vai te excomungar na CNN, Folha e rede Globo. Somado às mortes naturais, o Doria toma o PODER, com garantia do STF.
    A menos q a presença, sob vara de marmelo das 12 estrelas, nos apresente alguma esperança de “persistência”
    Lula preso.

  2. Paulo Guedes como Ministro da Economia tem obrigação de mostrar o caminho que o país deve seguir, mas o corporativismo do funcionarismo público não permitirá que se mexa nos seus privilégios.

    1. Vamos la amigo, então nada de socorro a empresario, nada de postergar dividas atrasadas para com o fisco, nada de aumento nos preços de qquer bem de consumo, vamos todos ficar congelados ai blza, remedio amargo p todos. Agora querer culpar o funcionalismo, me poupe. Primeiro não tinha dinheiro pra nada, agora apareceu sos montes p socorrer a pandemia, governadores e prefeitos. Tem algo de …. na dinanarca.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site