Mais de 60% das rodovias do Brasil estão em condições inadequadas

Desse grupo, cerca de 90% são públicas, entre federais e estaduais
-Publicidade-
Mais de 60% das rodovias brasileiras não estão em boas condições
Mais de 60% das rodovias brasileiras não estão em boas condições | Foto: Reprodução/CNT

Mais de 60% das rodovias brasileiras estão em condições inadequadas para circulação, segundo um levantamento divulgado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) nesta quinta-feira, 2. Desse grupo, mais de 90% são rodovias públicas, entre federais e estaduais. O estudo analisou 109 mil quilômetros da malha em todo o país.

De acordo com a CNT, os custos operacionais para os usuários em rodovias públicas aumentam mais de 35% em razão de fatores como sinalizações ruins e baixa qualidade de pavimentação. Entre as rodovias concedidas à iniciativa privada, por sua vez, o aumento médio é de apenas 16%.

Custo operacional
Foto: Divulgação/CNT
-Publicidade-

O alto custo para os transportadores reduz a rentabilidade das empresas, o que pode representar um desincentivo para a realização da atividade. Esse aumento ainda pode ser repassado para o preço das cargas e da movimentação de passageiros, o que resultaria num custo maior tanto para as empresas quanto para as famílias. Isso prejudicaria todos os brasileiros.

Análise por região

As rodovias federais pavimentadas estão distribuídas nas grandes regiões do país segundo sua extensão. Concentram-se, assim, cerca de 68% da extensão nas regiões Nordeste, Sudeste e Sul. Os restantes 32% da malha federal localizam-se nas regiões Norte e Centro-Oeste.

Porcentual da extensão de rodovias federais pavimentadas por região
Foto: Divulgação/CNT

O estudo mostra que, se analisada a densidade da malha rodoviária federal pavimentada por região, destaca-se a Região Sul, seguida por Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste. Em seu conjunto, essas regiões representam quase 55% da área do país. A Região Norte, particularmente, tem extensão reduzida de rodovias pavimentadas, sobretudo quando avaliada proporcionalmente à sua extensa área, que ocupa mais de 45% do território.

Densidade da malha rodoviária federal por região
Foto: Divulgação/CNT

“Os resultados negativos nas avaliações indicadas, tanto em termos quantitativos quanto qualitativos, decorrem de deficiências no planejamento, na execução e na manutenção das rodovias”, destaca a entidade.

Leia mais: “O caso Ferrogrão: como uma decisão do STF pode tirar o país dos trilhos”, reportagem de Fábio Matos publicada em Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Que perigo brabo esse daí, o usuário é obrigado a entrar na contramão, ultrapassando a faixa contínua e ainda numa curva e esses criminosos só fazem sinalizar. Cadê o Tarcísio?

    1. Não são em três anos que o Tarcísio irá dar conta de reparar todas as estradas federais. Se conseguir conseguir passar a maioria para a administração privada já será de grande valia, pois o Estado não tem recursos para manter tudo de pé, pois construir estrada é uma coisa e mantê-la operacional por anos é tão custoso quanto. Forte abraço!

  2. Essa é uma das heranças malditas de mais de 30 anos de governos comunistas, uma desgraça sem fim. Tarcísio e equipe estão se esforçando com poucos recursos e já se vê os resultados, mostrem isso também Oeste.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.