Marília Mendonça morre em queda de avião em MG

Aeronave caiu numa cachoeira localizada no interior do Estado
-Publicidade-
Marília Mendonça faleceu em acidente aéreo
Marília Mendonça faleceu em acidente aéreo | Foto: Reprodução/Redes sociais

A cantora Marília Mendonça, de 26 anos, e mais quatro pessoas morreram em um acidente aéreo na tarde desta sexta-feira, 5. O avião em que a compositora estava caiu numa área perto de uma cachoeira na serra de Caratinga, no interior do Estado de Minas Gerais.

“Com imenso pesar, confirmamos a morte da cantora Marília Mendonça; de seu produtor, Henrique Ribeiro; de seu tio e assessor, Abicieli Silveira Dias Filho; e do piloto e do copiloto do avião, cujos nomes serão preservados neste momento”, informou em nota a assessoria da artista.

Pouco antes do acidente, um vídeo em que Marília aparece entrando no avião foi publicado em suas redes sociais. Na agenda oficial da cantora, estava previsto um show para as 21 horas desta sexta-feira no Parque de Exposições de Caratinga, a cerca de 300 quilômetros de Belo Horizonte.

-Publicidade-

Vida e obra

Marília era natural de Cristianópolis, no interior de Goiás. A cantora era considerada um fenômeno do estilo sertanejo conhecido como “sofrência”. Ela deixa um filho de quase 2 anos.

A cantora tinha 36 milhões de seguidores no Instagram e 22 milhões de inscritos em seu canal no YouTube.

Acidente

A aeronave havia decolado do Aeroporto de Goiânia e caiu numa área perto dos acessos à Rodovia BR-474, a cerca de 500 metros do destino. O avião é um bimotor Beech Aircraft, da PEC Táxi Aéreo, de Goiás, prefixo PT-ONJ, com capacidade para seis passageiros. No sistema da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), consta que o avião está em situação regular, com autorização para oferecer o serviço de táxi aéreo.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

7 comentários Ver comentários

  1. A despeito de sua fama no público restrito ao neologismo “sofrência” que acredito ser um estilo caipira (se é goiano, é caipira obviamente) que faz referência a sofrimento de corno.
    Enfim, esse assunto não me interessa mas quanto ao acidente, acho uma temeridade voar nessas aeronaves (fabricada nos anos 80, portanto com quase 40 anos de serviço) que não dispõem de recursos para voar em tempo ruim e de teto baixo, que forçou o piloto a descer além do seguro, o que o fez se chocar com uma linha de transmissão de alta tensão. Talvez tenha sido esse o motivo da morte de todos, já que a carlinga da aeronave estava quase intacta. Os reais motivos disso daí, vão demorar a vir a lume.

  2. O que realmente não entendi foi tomarem o espaço do programa Pingos nos Is por conta da morte dessa senhora. Nunca ouvi absolutamente nada dela ou sobre ela; porque tomar o tempo de um programa nacionalmente conhecido por tão pouco?
    Só Candil explica.

  3. Nunca ouvi esse tipo de “música’, se é que se pode dizer isso das porcarias que imperam há muito tempo, então musicalmente a perda foi zero.

    1. Não entendi esse sarcasmo, apesar de não gostar das músicas dela não consigo tirar sarro e nem fazer piadinhas, neste momento familiares estão sofrendo sua canalha!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.