Martine Grael e Kahena Kunze são bicampeãs olímpicas em Tóquio

Dupla brasileira repetiu ouro conquistado no Rio, em 2016, na classe 49er FX; no atletismo, Alison dos Santos levou bronze
-Publicidade-
Martine Grael e Kahena Kunze conquistaram mais uma medalha de ouro para o Brasil em Tóquio
Martine Grael e Kahena Kunze conquistaram mais uma medalha de ouro para o Brasil em Tóquio | Foto:Jonne Roriz/COB

As brasileiras Martine Grael e Kahena Kunze conquistaram a medalha de ouro na classe 49er FX da vela nesta terça-feira, 3, nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Foi o segundo ouro olímpico da dupla, que já havia subido ao lugar mais alto do pódio na mesmo categoria na Olimpíada do Rio, em 2016.

As brasileiras tiveram uma atuação muito segura na medal race, a regata decisiva da prova, terminando na terceira colocação e assegurando o ouro na classificação geral. No primeiro dia de competições, Martine e Kahena tinham ficado na 15ª colocação.

Leia mais: “Rebeca Andrade fecha participação nos Jogos com 5º lugar no solo”

-Publicidade-

A medalha de prata ficou com as velejadoras alemãs Tina Lutz e Susann Beucke. O bronze foi para as holandesas Annemiek Bekkering e Annette Duetz.

Martine é filha de Torben Grael, um dos maiores nomes do esporte brasileiro (com cinco medalhas olímpicas), atual chefe da equipe brasileira no Japão, e sobrinha de Lars Grael (duas medalhas). Kahena é filha de Cláudio Kunze, campeão mundial juvenil nos anos 1980.

As velejadoras brasileiras conquistaram a 19ª medalha do esporte para o país em Olimpíadas. Até o momento, nesta edição dos Jogos, o Brasil soma 12 medalhas (três de ouro, três de prata e seis de bronze). No Rio, a delegação conquistou 19 medalhas no total.

Leia também: “Polônia concede visto humanitário a atleta que se recusa a voltar à Bielorrússia”

Bronze no atletismo

Ainda nesta terça-feira, o atletismo brasileiro conquistou uma medalha de bronze. Alison dos Santos cravou a marca de de 46s72, novo recorde sul-americano, e subiu ao pódio na prova dos 400 metros com barreiras.

A medalha de ouro ficou com o norueguês Karsten Warholm, com novo recorde mundial (45s94). O norte-americano Rai Benjamin conquistou a prata (46s17).

Leia também: “Ana Paula Henkel critica ‘politização’ do esporte: ‘Temos que proteger a alma olímpica’”

Foi a primeira medalha brasileira no atletismo na Olimpíada de Tóquio e a 18ª da modalidade na história dos Jogos.

Leia também: “As verdadeiras lições olímpicas”, artigo de Ana Paula Henkel publicado na Edição 71 da Revista Oeste

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro