Médicos que denunciaram a Prevent Senior receitaram remédios do tratamento precoce para si próprios

Grupo também prescreveu as medicações para seus familiares
-Publicidade-
Remédios como a ivermectina, a azitromicina e vitaminas também teriam sido prescritos
Remédios como a ivermectina, a azitromicina e vitaminas também teriam sido prescritos | Foto: André Ribeiro/Estadão Conteúdo

O Conselho Regional de Medicina de São Paulo deve receber nos próximos dias documentos que vão pôr contra a parede os médicos que denunciaram a Prevent Senior — o grupo acusa a rede hospitalar de receitar “medicamentos sem eficácia comprovada” no enfrentamento do coronavírus sem o conhecimento de pacientes. Segundo a papelada, os profissionais da saúde receitaram a hidroxicloroquina para si próprios, além de familiares.

Remédios como a ivermectina, a azitromicina e vitaminas também teriam sido prescritos. Com esses dados, a Prevent busca demonstrar ser falsa a afirmação segundo a qual a empresa obrigava seus funcionários a indicar as drogas do tratamento precoce. Pelo menos dois médicos que já se expuseram para levantar dúvidas sobre a idoneidade da Prevent estão no dossiê da companhia de convênios: George Joppert e Walter Correa.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo publicada nesta terça-feira, 5, ambos negaram. Contudo, a advogada que representa o grupo de 12 médicos, Bruna Morato, disse ser verdade o que alega a Prevent.

-Publicidade-

Leia também: “A solução que venceu a ideologia”, reportagem publicada na Edição 3 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

16 comentários Ver comentários

  1. Antes ou depois do advento das vacinas, uma vez que a pessoa está contaminada, estás não têm mais indicação e o único que se pode fazer é tratar, ou ao menos tentà-lo , e não ficar de braços cruzados esperando a natureza agir, ainda que com medicações ainda não comprovadas pois a doença é nova. Do contrário, nós médicos somos dispensáveis, deixemos a natureza seguir seu curso, já que doenças crônicas não têm cura e 60% dos tratamentos adotados não possuem evidências científicas até o momento.

  2. As vacinas contra COVID-19 não são experimentais. E não garantem 100 % de imunidade contra o vírus. Atenuam os sintomas em caso de infecção. Experimental é o tratamento precoce, já declarado ineficiente em todo o mundo.

    1. Todas as vacinas aplicadas contra a covid-19 são experimentais sim, pois até o momento nenhuma teve o competente registro definitivo solicitado e aprovado pela Anvisa, portanto senhor Luis informe-se melhor. Só podemos dizer que uma vacina é definitiva após está aprovação, que não ocorreu ainda. E, mais, ninguém pode ser forçado a inocular em seu corpo nenhum tipo de medicamento, é conceito basilar da medicina e da democracia, “meu corpo minhas regras”, lembra ?

  3. SE AS TAIS VACINAS, QUE ATÉ AGORA SOMENTE TIVERAM AUTORIZAÇÃO EXPERIMENTAL PARA USO, O QUE PROVA EFICÁCIA AINDA DUVIDOSA, O
    PODERIAM OS MÉDICOS PRESCREVER QUANDO PESSOAS COMEÇARAM A ADOECER E AINDA NÃO HAVIA VACINAS??????!!!!!!!!!! DEVERIAM OS MÉDICOS MANDÁ-LAS DEIXAR OS HOSPITAIS?????!!!!!! REALMENTE, KAFKA DEVE ESTAR SE
    SENTINDO UM ZERO À ESQUERDA!!!

  4. Eu acredito que a Prevent salvou a minha vida. Cheguei com sintomas tomei os remédios indicados e dois dias depois já estava me sentindo bem. Não esperei faltar o ar.

  5. A imprensa, de modo geral, esquece de alguns detalhes que parecem não importantes. No caso, está faltando entrevistar médicos no sentido de perguntar se aconteceu de algum cliente estar a beira da morte e eles não tentaram medicar com o “tratamento precoce” para salvar vidas. Ou seja, o cara tava morrendo e eles deixaram morrer sem tentar nada? Acho difícil. Antes da vacina se tentou de tudo, até chá e homeopatia. Quem sabe um passe num centro espírita (é crime?). Jà se disse aqui outras vezes para que a imprensa explique melhor o que é “tratamento precoce”, principalmente antes da vacina ou a ser ministrado a quem não se vacinou. O conceito é amplo e não me consta que só é aquele indicado pelo Bolsonaro. Vão encarar? A TV também podia ajudar.

  6. Essa CPI DO CANGAÇO e sua assistente REDE GLOBO tudo fazem para quebrar a PREVENT sem se importar com seu qualificado corpo de funcionários profissionais da saúde, e dos mais de 500 mil clientes que tem sido bem assistidos pela operadora e a baixos custos. Vale dizer que ainda não sou cliente da PREVENT mas depois que Mandetta profissional da saúde privada passou a denegrir a empresa e agora também essa CPI/GLOBOLIXO, creio que vou sentir segurança em me tornar cliente da PREVENT por apresentar alta qualidade a baixos custos. Como entender esse massacre apenas porque a empresa salvou vidas com tratamentos disponíveis indicados por médicos para a COVID antes das vacinas ainda em testes? Como fazem outros hospitais privados no tratamento de seus pacientes nessa grave pandemia, vacinados ou não?

  7. É VERDADE, LEITORA RENATA.
    PODE-SE ENGANAR POUCAS PESSOAS POR MUITO TEMPO;
    PODE-SE ENGANAR MUITAS PESSOAS POR POUCO TEMPO;
    MAS NÃO PODE ENGANAR TODO MUNDO O TEMPO TODO.

    1. Mas te garanto que a verdade não chega nas mesmas pessoas que ouviram a mentira. É para isso que a CPI serve, gerar narrativas mentirosas

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.