Operação Maria da Penha prende mais de 12 mil suspeitos

São Paulo e Rio de Janeiro foram os Estados com mais ligações ao 190 relacionadas à violência doméstica

A Oeste depende dos assinantes. Assine!

-Publicidade-
Ação ocorreu em 26 Estados e no Distrito Federal
Ação ocorreu em 26 Estados e no Distrito Federal | Foto: Reprodução/Shutterstock

Em um mês, policiais civis e militares prenderam mais de 12 mil suspeitos de matar ou agredir mulheres no país. A informação é do Ministério da Justiça e Segurança Pública, que divulgou nesta sexta-feira, 7, os dados da segunda edição da Operação Maria da Penha, com foco no combate à violência doméstica e ao feminicídio. A operação foi realizada entre agosto e setembro.

Conforme a pasta, cerca de 58 mil boletins de ocorrência foram registrados e mais de 40 medidas protetivas de urgência foram concedidas, requeridas ou expedidas. A ação ocorreu em 26 Estados e no Distrito Federal.

A ação faz parte do calendário de ações da Secretaria de Operações Integradas, voltada ao público vulnerável, com a participação de 221 mil profissionais.

-Publicidade-

São Paulo e Rio de Janeiro foram os Estados com mais ligações ao 190 relacionadas à violência doméstica, com mais de 9 mil e pouco mais de 5 mil denúncias, respectivamente. A primeira edição da operação ocorreu em 2021, com mais de 14 mil prisões e 39 mil medidas protetivas.

A Lei Maria da Penha nº 11.340, de 7 de agosto de 2006, configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial.

Como denunciar

Em caso de suspeita ou violação dos direitos da mulher, a orientação é procurar uma delegacia de polícia especializada mais próxima ou ligar para 180, 190 ou 197. A ligação é gratuita e o serviço funciona 24 horas, todos os dias da semana. São atendidas todas as pessoas que ligam relatando eventos de violência contra a mulher.

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos possui a Central de Atendimento à Mulher, que presta escuta e acolhida qualificada às mulheres em situação de violência. O serviço registra e encaminha as denúncias, reclamações, sugestões ou elogios aos órgãos competentes.

Por meio da Central de Atendimento também é possível obter informações sobre os direitos da mulher, como os locais de atendimento mais próximos e apropriados para cada caso: Casa da Mulher Brasileira, Centros de Referências, Delegacias de Atendimento à Mulher, Defensorias Públicas e Núcleos Integrados de Atendimento às Mulheres.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Colocar lei no papel e facil, quero ver executala na prática, qtos agressores foram preço no governo do pt. Pelo que disse o luladrão do ptcc, vai propor mudança, só vai laver para quem cometer crime dentro de casa. Sera que na sacada de apartamento pode. A unica coisa boa que ptcc pode fazer pelo bem do Brasil é deixar de existir e os outros partidos não aceitar filiação desta corja.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.