PF prende boliviana investigada por queda de avião da Chapecoense

A prisão foi determinada pelo Supremo Tribunal Federal, que autorizou a extradição da investigada. Ela vivia refugiada no Brasil
-Publicidade-
A prisão da controladora de voo foi realizada em Corumbá, Mato Grosso do Sul | Foto: Reprodução/Mídias sociais
A prisão da controladora de voo foi realizada em Corumbá, Mato Grosso do Sul | Foto: Reprodução/Mídias sociais

A Polícia Federal (PF) prendeu em Corumbá, em Mato Grosso do Sul (MS), a controladora de voo Celia Castedo Monasterio, que vivia refugiada no Brasil alegando ser perseguida na Bolívia, depois de declarações sobre o acidente.

A funcionária foi responsável pela análise do plano de voo do avião que transportava a delegação da Chapecoense e jornalistas para a final da Copa Sul-Americana de 2016. A aeronave caiu momentos antes de pousar no Aeroporto Internacional de Medellín, na Colômbia, matando 71 pessoas.

A controladora teria deixado de observar os procedimentos necessários para aprovação do plano de voo. O documento mostrou que o piloto decolou da Bolívia com destino à Colômbia sem combustível suficiente. Na época, ela foi denunciada por autoridades bolivianas com outros funcionários da empresa de viagens.

-Publicidade-

A decisão pela prisão foi do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, que também determinou a extradição da investigada. Na sentença, o ministro citou que Celia é “procurada pela Justiça boliviana para responder pela suposta prática do crime de atentado contra a segurança do espaço aéreo”.

De acordo com a PF, Celia permanecerá presa em Corumbá (MS) aguardando os trâmites para ser entregue às autoridades bolivianas.

Leia também: “Maior avião do mundo, Airbus A380 volta a voar no Brasil”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

    1. Prisão burocrática. A controladora poderia até ter verificado se havia ou não combustível suficiente, porém o dono da companhia que também era o piloto poderia muito bem burlar esse fato aí. Havia um motivo que não me recordo agora, que esses picaretas voavam com pouco combustível. A verdade é a seguinte: Deixaram de voar em uma companhia idônea para voar com esses picaretas apenas por motivo econômicos.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.