Por ‘bônus de eficiência’, servidores da Receita Federal aprovam greve

Sindicato comunicou 'a entrega ostensiva de todos os cargos em comissão e funções de chefia em todos os níveis hierárquicos'
-Publicidade-
Servidores deixaram postos, mas permanecem na carreira, já que são concursados
Servidores deixaram postos, mas permanecem na carreira, já que são concursados | Foto: Divulgação/Agência Brasil

Funcionários da Receita Federal (RF) aprovaram uma greve para a segunda-feira 17. A decisão foi tomada ontem, depois de reunião do Sindicato Nacional dos Auditores (Sindifisco). Aderiram ao movimento 97% dos 4,3 mil votantes. O Sindifisco comunicou que as atividades nas fronteiras terão ritmo reduzido.

Os servidores aprovaram ainda “a entrega ostensiva de todos os cargos em comissão e funções de chefia em todos os níveis hierárquicos na RF”. Segundo eles, as posições não serão ocupadas até que o governo Jair Bolsonaro faça a publicação do decreto de regulamentação do bônus de eficiência.

Pelo menos 625 ocupantes de cargos em comissão e funções de confiança no órgão, entre eles 44 conselheiros do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, apresentaram renúncia coletiva na quinta-feira 23. Os servidores deixam os postos, mas permanecem na carreira, já que são concursados.

-Publicidade-

Motivo da greve na Receita Federal

Auditores da Receita Federal, cujos salários básicos variam entre R$ 21 mil e R$ 27,3 mil, cobram a regulamentação do chamado “bônus de produtividade” (BEP) para os servidores, que garante um pagamento extra de R$ 3 mil.

O BEP foi criado via medida provisória em 2016 e convertido em lei em 2017, mas não regulamentado. Isso significa que ele não mede produtividade, já que todos os auditores e analistas tributários recebem.

A categoria cobra que haja essa regulamentação, o que não ocorreu até agora. A estimativa é de que, caso regulamentado o pagamento, haveria um gasto extra de R$ 430 milhões

Conforme o Sindifisco, a RF teve “cortes” equivalentes ao valor destinado ao pagamento do aumento para carreiras da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e do Departamento Penitenciário Nacional. O orçamento aprovado prevê um valor de R$ 1,7 bilhão para essa finalidade.

Leia também: “Servidores, a casta privilegiada não atingida pela crise”, artigo publicado na Edição 8 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

10 comentários Ver comentários

  1. Esses aí são outros, se julgam a nata do funcionalismo. Com a informatização, para a felicidade dos brasileiros, em breve serão figuras desnecessárias

  2. MANDA EMBORA SEM DIREITO A P….. NENHUMA, NÃO ESTÃO VENDO A SITUAÇÃO QUE ESTE PAÍS SE ENCONTRA??? QUEM NÃO É PARTE DA SOLUÇÃO, É COM CERTEZA, PARTE DO PROBLEMA. FAZ NOVOS CONCURSOS QUE ESTÁ CHEIO DE GENTE AFIM/PRECISANDO TRABALHAR!

    1. Não é assim tão fácil dominar o assunto tributos, viu, linda? Precisa estudar muito e depois adquirir a prática. Não é como deitar na cama e abrir as pernas!

    1. Filha, você precisa aprender a interpretar textículos. O que tem isso a ver com esquerda? Bolsonaro é de direita e aumentou a contribuição previdenciária dos brasileiros. Esqueceu?

  3. A classe privilegiada do Brasil, que pouco produz, se é que produz, querendo cada vez mais. Nessa classe incluo o congresso, com todos os 594 integrantes, sem exceção, e o judiciário, em todos os seus segmentos, mormente o ESSETÊEFE. O Brasil só deu certo para os funcionários públicos.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.