Revacinação ou dose de reforço ainda estão em análise, afirma Queiroga

Ministro da Saúde disse que já está em negociações com farmacêuticas como Pfizer e Moderna por doses para o ano que vem
-Publicidade-
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi ouvido em comissão no Senado
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi ouvido em comissão no Senado | Foto: Flickr

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira, 21, que o governo federal ainda está analisando a necessidade de uma nova vacinação contra a covid-19 no ano que vem — ou se bastará apenas uma dose de reforço para a população brasileira.

As declarações do ministro foram dadas durante sua participação na comissão especial criada no Senado para tratar da pandemia de  covid-19.

Leia mais: “Lote com 1,45 milhão de doses da Janssen chega amanhã, diz Queiroga”

-Publicidade-

“Ainda não temos todas as respostas, todas as evidências científicas a esse respeito, se será necessário fazer uma nova vacinação como hoje, com duas doses, ou se apenas precisaremos do reforço”, disse Queiroga. “Já traçamos um panorama para o ano de 2022. Nesse sentido, além da Fundação Oswaldo Cruz [Fiocruz] ter capacidade plena para produção da vacina com Ingrediente Farmacêutico Ativo [IFA] nacional, estamos em negociações com farmacêuticas, como a Pfizer e a Moderna, para usar esses agentes no ano de 2022, se for o caso de fazermos um reforço”, completou.

Leia mais: “‘Estou interessado em vacinar a população’, diz Queiroga sobre se tornar investigado pela CPI”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comentários

  1. E a coronavac ? Tenho observado algumas matérias jornalísticas criticando a escolha de vacina por parte da população. Inclusive, vi uma reportagem na CCN Brasil na qual uma pessoa buscava a vacina da Pfizer e outra a coronavac porque tinha receio de tomar a Astrazeneca. Já, na Band News, ao final da matéria, a âncora do jornal dá a entender que as pessoas estão refutando a Astrazeneca. Mas não é bem assim, pois, recentemente, em três postos de vacinação na zona sul/oeste da cidade de São Paulo não havia fila para vacinação. Zero fila. A vacina disponível era a Coronavac. Ao que tudo indica parte da imprensa não quer divulgar esses fatos, ou seja, que pessoas estão deixando mesmo de tomar a coronavac.

  2. Não sei se posso indicar links do Youtube aqui, por isso vou apenas citar referências a duas entrevistas. A primeira foi uma entrevista a Helio Beltrão em 04 de abril de 2020, quando pouco se sabia sobre qualquer coisa: “HIDROXICLOROQUINA com Dr. Paolo Zanotto (USP) e Dr. Pedro Batista (Prevent Senior)”, com 1 h e 44 min de duração teve 201 mil visualizações. A segunda, 14 meses depois, foi em 15 de junho de 2021 na Rádio Bandeirantes: “Para o virologista Paolo Zanotto, o tratamento precoce da covid foi demonizado no Brasil”, com 50 min de duração teve 148 mil visualizações. Nesta última, o bom entendedor concluirá que estaremos dependentes das vacinas atuais por muito tempo. Não vou propor outras conclusões. Recomendo, fortemente, esta segunda entrevista, que apesar de ser um trabalho jornalístico, traz uma abordagem altamente científica sobre o vírus e sobre as vacinas.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site