Transplante de órgãos é prejudicado pela pandemia

É o que revela estudo divulgado por associação da área
-Publicidade-
Equipe médica durante procedimento cirúrgico
Equipe médica durante procedimento cirúrgico | Foto: Divulgação/HFB

Os efeitos da pandemia da covid-19 vão além do cenário econômico. Nesta sexta-feira, 5, a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) divulgou estudo com informações nada animadoras. De acordo com o levantamento da entidade, o coronavírus foi responsável por impactos negativos para pacientes transplantados e para quem segue na fila de espera por um órgão.

Leia mais: “Governo federal distribuiu R$ 33 bi para Secretarias de Saúde combaterem a covid-19”

-Publicidade-

No material divulgado à imprensa, a ABTO informa que os maiores prejudicados com a pandemia foram as 80 mil pessoas que receberam transplante de rim. Com os dois maiores centros do país para renais crônicos mapeados, a entidade revelou que cerca de 10% do grupo foi infectado pela covid-19, com taxa de mortalidade variando de 2% a 2,5%, informa a Agência Brasil.

Em geral, a média de letalidade por covid-19 entre transplantados (proporção de mortes em relação aos diagnosticados) é bem maior que a média brasileira. No grupo, a taxa está entre 20% e 25%, alerta a ABTO. Na conta geral do país, o porcentual fica abaixo de 1%: 0,9%.

“O mais triste é que essas taxas continuarão crescendo”

Com os dados em mãos, Valter Duro, integrante do conselho consultivo da ABTO, não escondeu a tristeza. “O mais triste é que essas taxas continuarão crescendo, pelo menos durante o primeiro semestre de 2021”, observou. “Somente serão estabilizadas com a vacinação em massa”, afirmou Duro.

Procedimentos suspensos

O levantamento da ABTO mostra, ainda, que os transplantes eletivos — quando uma pessoa viva decide doar uma córnea ou rim a alguém — foram reduzidos ao longo do ano em que o Brasil enfrentou a pandemia. A queda foi de 12,7%, indo de 18,1 transplantes por milhão da população para 15,8.

No geral, os transplantes de órgãos caíram na seguinte proporção em 2020 (no comparativo com 2019):

  • Córnea — 52,7%;
  • Pulmão — 38,7%;
  • Rim — 24,5%;
  • Medula — 17,6%;
  • Coração — 16,7%;
  • Pâncreas — 12,5%;
  • Fígado — 9%.

Leia também: “O que falta para o Brasil acelerar a vacinação?”, reportagem publicada na Edição 50 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.