Vacinação de crianças contra a covid-19: Ministério da Saúde inicia consulta pública

Processo foi aberto depois de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária recomendar a aplicação do imunizante
-Publicidade-
Ministério da Saúde e Anvisa entraram em conflito
Ministério da Saúde e Anvisa entraram em conflito | Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O Ministério da Saúde (MS) inicia nesta quinta-feira, 23, uma consulta pública sobre a vacinação de crianças. O processo ficará disponível até 2 de janeiro de 2022. As contribuições devem ser direcionadas para o site do MS.

Depois do encerramento do processo, as contribuições enviadas serão alvo de uma audiência pública prevista para 4 de janeiro. No dia seguinte, a pasta vai bater o martelo sobre o assunto, que se tornou alvo de polêmica.

As consultas públicas são processos regulatórios pelos quais se buscam a opinião do público sobre questões que os afetam. Os objetivos são melhorar a eficiência, a transparência a participação popular na tomada de decisões.

-Publicidade-

Vacinação de crianças foi recomendada pela Anvisa

Conforme noticiou a Revista Oeste, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou a aplicação da vacina da Pfizer contra a covid-19 em crianças de 5 a 11 anos. Ainda não há previsão de quando a imunização vai começar.

“Até o dia 5 de janeiro é um tempo absolutamente adequado para que as autoridades possam analisar a decisão da Anvisa em todas as suas nuances, inclusive em relação à aplicação dessas vacinas”, disse o ministro da Saúde.

Especialistas veem decisão da Anvisa como precipitada

A notícia preocupa pais e boa parte da comunidade médica, que questionam a necessidade de vacinação desse grupo e a falta de estudos clínicos que contemplem essa população, suscetível a reações colaterais das vacinas.

O médico clínico geral e doutor em imunologia Roberto Zeballos diz que vacinar crianças “não deveria ser prioridade” no Brasil. “Precisamos analisar o momento da pandemia no país”, afirmou Zeballos, em entrevista a Oeste.

“Os casos e as mortes por covid-19 estão em queda há alguns meses e a doença caminha para se tornar endêmica”, disse. Além disso, o médico questiona a vacinação em uma faixa etária que foi pouco afetada pelo coronavírus.

“No caso das crianças, as fatalidades foram mínimas, além de existirem estudos que revelam que elas transmitem menos do que os adultos”, ressaltou Zeballos.

Estudos de vacinas em crianças

Os estudos sobre vacinação do público entre 5 e 11 anos preocupam o infectologista Ricardo Zimmermann. Primeiro, o médico afirma que os testes em crianças ocorreram quando não havia a circulação da variante Delta, muito menos da recente cepa Ômicron. “Com o surgimento de novas variantes, o benefício da vacinação pode ser ainda menor”.

Leia também: “A era do pânico”, reportagem publicada na Edição 90 da Revista Oeste

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.