Vacinação de crianças: governo recebe hoje 1,2 milhão de doses pediátricas

Para este ano, o Ministério da Saúde assinou um novo contrato
-Publicidade-
Em 16 de dezembro de 2021, a Anvisa decidiu que a vacina da Pfizer contra a covid-19 pode ser aplicada em crianças de 5 a 11 anos
Em 16 de dezembro de 2021, a Anvisa decidiu que a vacina da Pfizer contra a covid-19 pode ser aplicada em crianças de 5 a 11 anos | Foto: Alexandre Brum/Estadão Conteúdo

O Ministério da Saúde (MS) recebe neste domingo, 16, o segundo lote com 1,2 milhão de doses pediátricas para a vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a covid-19. O anúncio foi feito por Rodrigo Cruz, secretário-executivo do MS.

A primeira remessa, com 1,2 milhão de doses, chegou ao Brasil na quinta-feira 13. Estados e municípios, mais o Distrito Federal, já receberam as unidades do produto, conforme garantiu o governo federal.

A autorização dos pais é necessária para a vacinação desse público. Isso porque a vacinação de crianças não obrigatória. No caso da presença dos responsáveis no ato da vacinação, haverá dispensa do termo por escrito.

-Publicidade-

Para este ano, o governo federal assinou um contrato para aquisição de mais de 100 milhões de doses da Pfizer, com possibilidade de aquisição de mais 50 milhões de doses.

Polêmica na vacinação de crianças

Em 16 de dezembro de 2021, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária decidiu que a vacina da Pfizer contra a covid-19 pode ser aplicada em crianças de 5 a 11 anos.

A notícia preocupa pais e boa parte da comunidade médica, que questionam a necessidade de vacinação desse grupo e a falta de estudos clínicos que contemplem essa população.

O médico clínico geral e doutor em imunologia Roberto Zeballos diz que vacinar crianças “não deveria ser prioridade” no Brasil. “Precisamos analisar o momento da pandemia no país”, afirma Zeballos.

“Os casos e as mortes por covid-19 estão em queda há alguns meses e a doença caminha para se tornar endêmica”, disse o médico. Além disso, Zeballos questiona a vacinação em uma faixa etária que foi pouco afetada pelo coronavírus.

“No caso das crianças, as fatalidades foram mínimas, além de existirem estudos que revelam que as crianças transmitem menos do que os adultos”, constatou o especialista.

Leia também: “Um basta na pandemia”, reportagem publicada na Edição 95 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. Tem notícia fresca dizendo que a enfermeira paraibana, aquela que passou a perna no Doria, começou a vacinar as crianças em dezembro, logo que o Barra Torres(sic) da ANVISA autorizou aplicar a Pfizer nas crianças. Kkkkkk.

  2. Joãozinho quis correr para ser o primeiro a vacinar uma criança, mas a enfermeira paraibana passou a perna nele e vacinou logo 60 crianças, uma semana antes.

  3. João Doria mentiu quando disse que o Estado de São Paulo foi o primeiro a aplicar a vacina em crianças. Tirou foto a toa com o indiozinho. O primeiro foi o Estado da Paraiba, com a enfermeira vacinando 60 crianças. Até nisso o nosso querido Calcinha Apertada é picareta.

  4. A ver pela receptividade dessas vacinas, é recomendável ao MS encomendar rapidamente mais outros 1,5 milhão de doses, no mínimo. A fila está grande. E na Paraíba, essa vacinação já começou com doses aplicadas em crianças que eram destinadas a adultos e o pior, estavam vencidas! Isso é que é organização.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.