Vacinas do agro: Itamaraty promete fazer a ponte para transferência de tecnologia

Ministro das Relações Exteriores, Carlos França, participou de audiência com o senador Wellington Fagundes, autor do projeto
-Publicidade-
Ministério das Relações Exteriores se comprometeu a auxiliar nas tratativas por transferência de tecnologia para laboratórios do agro produzirem vacina
Ministério das Relações Exteriores se comprometeu a auxiliar nas tratativas por transferência de tecnologia para laboratórios do agro produzirem vacina | Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto França, afirmou na terça-feira 6 que o Itamaraty deve intermediar a transferência de tecnologia necessária para tirar do papel o projeto aprovado pelo Senado que autoriza fábricas de imunizantes veterinários a produzirem vacinas contra a covid-19 (leia aqui a íntegra).

A proposta é de autoria do senador Wellington Fagundes (PL-MT). Segundo ele, as empresas do agro têm capacidade para produzir, em 90 dias, cerca de 400 milhões de doses de vacinas. As companhias se comprometeriam a interromper, temporariamente, suas linhas regulares de produção para se dedicar exclusivamente à imunização contra a covid-19. Como Oeste noticiou em reportagem publicada em abril, para isso são necessárias duas condições: a aprovação da Anvisa e a transferência de tecnologia para produção do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA).

Reportagem especial: “O que falta para os laboratórios do agro produzirem vacina contra covid-19”

-Publicidade-

O compromisso do Itamaraty com o projeto das “vacinas do agro” foi dado durante uma audiência envolvendo França e Fagundes. O ministro usou a expressão “diplomacia da saúde” para classificar os esforços da pasta no sentido de viabilizar a proposta.

Leia mais: “Covid-19: Senado aprova projeto que autoriza laboratórios do agro a produzirem vacina”

“Essa é uma das prioridades do presidente [Jair] Bolsonaro, e a ideia é que nossa rede de postos no exterior, as embaixadas e os consulados, possam auxiliar o Brasil na capacitação e na transferência de tecnologia para produção de vacinas contra a covid-19 aqui no nosso país”, afirmou França.

Leia mais: “Senador afirma que Butantan quer fazer ‘reserva de mercado’”

Tratativas semelhantes ocorreram no início de junho, quando a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) firmou contrato de transferência de tecnologia com a AstraZeneca para a produção 100% nacional da vacina contra a covid-19.

“As fábricas já têm tecnologia e biossegurança suficientes para produzir essas vacinas e aguardam a matéria-prima patenteada para iniciar o processo de replicação independente. É um processo muito semelhante ao de produção de vacinas como a da febre aftosa, por exemplo”, explicou o senador.

Leia também: “Marcelo Queiroga visita laboratórios do agro interessados em produzir vacina”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site