Weintraub diz não se arrepender de críticas ao STF: ‘A gente está lidando com bandidos no Brasil’

Em entrevista ao Opinião no Ar, da RedeTV!, ex-ministro da Educação afirma que foi alvo do 'mecanismo' e teve de partir para o 'confronto'
-Publicidade-
O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub foi o entrevistado de hoje do programa <i>Opinião no Ar</i>
O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub foi o entrevistado de hoje do programa Opinião no Ar | Foto: Reprodução/YouTube

Em entrevista ao programa Opinião no Ar, da RedeTV!, exibido nesta sexta-feira, 11, o ex-ministro da Educação e atual dirigente do Banco Mundial Abraham Weintraub afirmou que não se arrepende das críticas que fez aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que se tornaram públicas após a divulgação do vídeo de uma reunião ministerial de abril de 2020, quando ele ainda integrava o governo do presidente Jair Bolsonaro.

Na ocasião, Weintraub disse que desejava mandar “vagabundos para a cadeia, começando no STF”. Ele também afirmou que era preciso “acabar com essa porcaria que é Brasília” e classificou a capital do país como um “cancro de corrupção e de privilégio”.

-Publicidade-

Leia mais: “Weintraub: ‘Discutir o Lula candidato é o cenário do absurdo’”

Silvio Navarro, editor-executivo de Oeste, e Rodrigo Constantino, colunista da revista, participaram da entrevista. O programa é apresentado por Luís Ernesto Lacombe e também conta com a participação da jornalista Amanda Klein.

Não me arrependo. O que me arrependo é de ter colocado a vida dos meus filhos em risco. Tem no Youtube, dá para ver quando cercaram meus filhos e minha esposa em Santarém. Estão documentados, filmados e gravados vários ataques. Eles vieram para cima de mim”, afirmou Weintraub, referindo-se ao que ele chamou de “mecanismo” de Brasília. “A gente está lidando com bandidos no Brasil, com criminosos. Pessoas sem escrúpulos.” 

Leia também: “‘Se eu pudesse, parava de dar dinheiro para a TV Cultura’, diz Weintraub”

Segundo Weintraub, durante sua passagem pelo MEC ele teve de enfrentar grupos organizados que tinham o objetivo de derrubá-lo. “Eu enfrentei três grandes grupos: a tradicional e velha corrupção, o pessoal da ideologia do marxismo cultural e os grandes grupos privados que estão tentando fazer o monopólio da educação privada no Brasil. Este terceiro grupo tem uma bancada grande no Congresso, distribuída por partidos de esquerda até partidos de centro”, relatou o ex-ministro.

Ou eu cedia e negociava ou eu enfrentava. Eu precisava ter a militância do meu lado. […] Eu precisava chamar atenção e estar no foco para não ser destroçado pelas forças desse mecanismo. Parti para uma estratégia de confronto e virei alvo de tudo e todos”, prosseguiu Weintraub. “Nunca pensei em ser o líder da resistência contra essa dominação que está havendo no Brasil, mas acabei me tornando uma referência, dado o meu lado mais combativo.”

Perseguição da CPI

Durante a entrevista, o ex-ministro da Educação criticou o que chamou de perseguição da CPI da Covid contra seu irmão, Arthur Weintraub, ex-assessor da Presidência da República. Segundo parlamentares oposicionistas que integram a comissão, o irmão de Weintraub teria participado de um suposto “gabinete paralelo” de aconselhamento a Bolsonaro durante a crise da covid-19.

Leia também: “Irmãos Weintraub recuperam-se de ‘cepa bem agressiva’ da covid-19”

“Eu vejo a perseguição aos Weintraub, a mim e ao meu irmão, simplesmente porque a gente fez muita coisa nesses últimos anos”, afirmou. “A reforma da Previdência, por exemplo, foi a gente que fez. E não saiu melhor por causa do ‘Nhonho'”, ironizou o ex-ministro, em alusão ao ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia. 

Maia e o FNDE

Weintraub afirmou, na entrevista, que Maia indicou um nome para o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Segundo o ex-ministro, o indicado acabou sendo demitido, e o ex-presidente da Câmara jamais se conformou.

“A reforma da Previdência era nossa grande prioridade porque sabíamos que o Brasil quebraria”, disse Weintraub. “No MEC, eu tinha o FNDE, onde você tem R$ 50 bilhões para fazer investimentos. E o olho dos caras é desse tamanho. O Rodrigo Maia falou: para passar a reforma, eu preciso indicar um cara muito bom aqui, que estava trabalhando, acho que no governo [de João] Doria. […] A reforma da Previdência foi posta em votação. No fim do ano, ele [o indicado de Maia] fez algumas coisas que davam sinais que eram erradas. Ele foi mandado embora e depois disso o Rodrigo Maia ficou louco. Por isso, ele todo dia cuspia fogo pelas ventas. Ele estava pronto para morder o bolo, eu tirei o bolo e ele bateu com o dente em seco”, relatou Weintraub.

Candidatura em 2022

Indagado se seria candidato nas eleições do ano que vem — seu nome vem sendo especulado tanto para o governo de São Paulo quanto para o Senado —, Weintraub disse que ainda é cedo para qualquer definição. “Eu acredito em Deus. Acredito também que existe algum propósito. Não sei qual vai ser o caminho que eu vou trilhar. A única certeza que eu tenho é o meu compromisso com meus filhos e minha esposa. Eles têm que estar em segurança”, afirmou. “Se ele [Deus] me colocar lá e eu tiver condições, vou fazer exatamente o que eu estou falando.”

Doutrinação global

Abraham Weintraub afirmou ainda que há um movimento global de doutrinação marxista, que conta com o apoio de diversas corporações e da grande imprensa, cujo objetivo é calar vozes conservadoras. A educação, segundo o ex-ministro, é um dos setores mais atingidos.

É um  movimento global. Esse movimento de doutrinação está ocorrendo em diferentes graus pelo mundo. No Chile, no Canadá, até nos Estados Unidos”, afirmou. “O Brasil, por incrível que pareça, é um dos poucos países que têm chance de vencer essa batalha. Se a gente perder, provavelmente a América do Sul inteira vai cair para o outro lado. Já está caindo, mas aí consolida.”

Leia também: “‘Estou disposto a impedir que o Brasil vire a Venezuela’, afirma Weintraub”

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 comments

  1. Não vamos perder Weintraub, pois a postura de homens como você nos dá a certeza de que venceremos essa batalha porca!!!
    Ahh, a USP foi rebaixada no ranking internacional. Nada mau.
    A guerra deve ser aberta, e se eles preferirem, com as mesmas armas que utilizam!!!
    Seu trabalho continua ativo por aquí.

  2. É a esperança para São Paulo. Com o Doriana fora da jogada por conta de sua própria estupidez, abre-se a possibilidade de descarrilhar a locomotiva, com a subida do MTST ao poder. Ao contrário da cantora, o ex-Ministro Weintraub tem sido consistente em seu trabalho sério e com o interesse da nação brasileira. Espero que sua família esteja em segurança para que possa concorrer ao Senado ou Governo Estadual.

  3. Weintraub, se prepara e venha pra guerra e vamos pra porrada com quem quer que seja. Temos que manter a direita no governo com o proposito de deixamos um país melhor para os nossos filhos e netos! vamos pra PORRADA contra esses vampiros.

  4. PARABÉNS WEINTRAUB !!! SE AS EXCELÊNCIAS SE SENTIRAM INCOMODADAS, A SOLUÇÃO É MUITO SIMPLES: BASTA DEIXAREM SUAS FUNÇÕES DE CONFIANÇA E VOLTAREM PARA SEUS CARGOS PÚBLICOS DE PROVIMENTO EFETIVO, CONQUISTADOS APÓS CONCURSO DE PROVAS E TÍTULOS! SE NÃO SÃO TITULARES DE CARGOS EFETIVOS, BASTA PARTIR PARA A INICIATIVA PRIVADA, SEMPRE ABERTA PARA QUEM TEM CAPACIDADE E NÃO TEM MEDO DE ASSUMIR RISCOS! SIMPLES ASSIM!

  5. Oxalá! Que vc venha seu canalha,.venha que sua boquinha vaí acabar incompetente e semi-analfabeto e estúpido. Venha mesmo imbercil para perder nas urnas eletrônicas ou dos votos impressos pois, para votar numa anta dessa com respeito ao animal.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site