Boulos infringiu a Lei Eleitoral, define TRE-SP - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 24 out 2020, 19:40

Campanha de Boulos infringiu a Lei Eleitoral, define TRE-SP

24 out 2020, 19:40

Ator Wagner Moura apareceu como protagonista no horário eleitoral

guilherme boulos - tre-sp - wagner moura

Guilherme Boulos é o candidato do Psol à prefeitura de São Paulo | Foto: Reprodução/Instagram

As presenças de figuras do meio artístico não estão surtindo efeito positivo para a campanha de Guilherme Boulos (Psol) à prefeitura de São Paulo. Na mesma semana em que a Justiça manteve a proibição ao showmício que Caetano Veloso faria a seu favor, o socialista viu o Tribunal Regional Eleitoral paulista (TRE-SP) entender que sua equipe infringiu a lei por causa do ator Wagner Moura.

Leia mais: “13 políticos comunistas com patrimônio de dar inveja a qualquer capitalista”

Na primeira semana do horário eleitoral gratuito, a campanha de Boulos levou à TV peça em que Moura aparece como locutor. O ator lê um texto que enaltece a chapa paulistana do Psol, que tem a ex-prefeita Luíza Erundina como candidata a vice. Enquanto o público escuta a voz do protagonista do filme Tropa de Elite, imagens dos políticos surgem na tela. Além disso, a própria imagem do artista aparece no vídeo.

No julgamento realizado na quinta-feira 22, o plenário do TRE-SP definiu que Moura apareceu por mais de 25% da peça eleitoral em questão, o que é proibido de acordo com a Lei 9.504/97. Dessa forma, o TRE-SP manteve o parecer definido anteriormente pela primeira instância da Justiça Eleitoral paulista. A 2ª Zona Eleitoral de São Paulo tinha determinado a suspensão da propaganda estrela pelo ator.

Regra é regra

“A legislação eleitoral limita a participação de apoiadores, sejam eles candidatos ou não, em propagandas eleitorais gratuitas, no rádio e na televisão, ao máximo de 25% do tempo total da inserção”, observa o TRE-SP ao noticiar a decisão contrária à campanha de Boulos. Derrotada no tribunal paulista, a coligação dele — composta de Psol, PCB e UP — pode recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Eleições 2020: Confira a cobertura do site da Revista Oeste sobre o assunto

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Tem que se respeitar a LEI, mesmo que seja uma Lei BRASILEIRA, cujos guardiões a desconhecem. Mas vamos lá: marqueteiro fraco incluir Wagner Moura, FHC, Lula né Nilmario?, Caetano Veloso….esses príncipes e artistas se ferraram, por se equivocarem redondamente sobre as suas posições dentro da sociedade. Vai trabalhar VAGABUNDO…versava o Chico, outro tresloucado.

    Responder
    • Que diferença faz uma dória dessas aparecer ou não no programa desse chupassaco do ladrão? Duvido que ele influencie 1 eleitor. Um só. Apenas um.

      Responder
  2. Boulos e Wagner Moura, são idiotas

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês