Campanha de Boulos para prefeito já é mais cara que a de Bolsonaro para presidente - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 26 out 2020, 18:22

Campanha de Boulos para prefeito já é mais cara que a de Bolsonaro para presidente

26 out 2020, 18:22

Com a diferença, seria possível distribuir o auxílio emergencial a quase 3 mil sem-teto

boulos - ameaça - prefeitura de são paulo - augusto nunes

Guilherme Boulos | Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Guilherme Boulos (Psol) já gastou R$ 3,3 milhões em sua campanha para a prefeitura de São Paulo. A despesa do presidente Jair Bolsonaro na eleição que o conduziu ao Palácio do Planalto não chegou a R$ 2,5 milhões. Com a diferença — mais de R$ 800 mil —, seria possível distribuir o auxílio emergencial de R$ 300 a quase 3 mil sem-teto.

Os dados estão disponíveis no sistema de divulgação de candidaturas e contas eleitorais mantido pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Leia também: “13 políticos comunistas com patrimônio de dar inveja a qualquer capitalista”

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

13 Comentários

  1. Deve ser doação de nossos artistas, sempre emocionados e generosos com a esquerda…

    Responder
  2. A sorte de SP é que esta coisa não tem viabilidade eleitoral.

    Responder
  3. Se acaso for verdade o noticiado, e como perguntar não ofende, o Conselheiro Acácio pergunta: dá para o candidato explicar como sua candidatura conseguiu
    o montante gasto até agora? Para quem incentiva e vende a ideia de ocupações para obtenção de moradia para trabalhadores, esse gasto é incoerente, né não???

    Responder
  4. Já que perguntar não ofende: quantas moradias seria possível comprar com 3,3 milhões p famílias de baixa renda, ou, desabrigadas?

    Responder
  5. NÃO GOSTO DESSE CIDADÃO. Mas é preciso clarificar a informação para sermos justos e honestos: esses recursos vieram de onde? Doações, Fundo Eleitoral? Há alguma irregularidade neles? Se o valor for esclarecido e não houver nenhuma fraude ou ato ilícito é preciso também noticiar na mesma matéria. Talvez a pauta correta seja investigar também como esses recursos estão sendo gastos por ele e pelos outros candidatos . Há muito lobo em pele de cordeiro por aí. Sejamos justos e vamos constatar que são todos farinhas do mesmo saco. Ou não?

    Responder
  6. Vergonha divulgar uma mentira dessas. FAKE NEWS DESLAVADA.

    Responder
  7. Uma revista que fala em “vacinar” contra a mentira faz uma noticiazinha fake dessas.
    Coloca as imagens da informações. Deixa o link para a pessoa acessar. Vcs não fazem isso porque sabem que a maioria das pessoas morrem de preguiça e acreditam em qualquer coisa que leem. Tenham vergonha de usar o conhecimento para o distribuir mentiras.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês