Carrefour reverterá arrecadação do dia 20 a programas antirracismo - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 20 nov 2020, 20:00

Carrefour reverterá arrecadação do dia 20 a programas antirracismo

20 nov 2020, 20:00

Ação foi tomada como medida de reparação à morte de um cliente negro em uma de suas lojas, em Porto Alegre (RS)

Loja do Carrefour | Foto: Google Maps

A rede de supermercados Carrefour anunciou que o valor arrecadado com as vendas em todas as lojas nesta sexta-feira, 20, será revertido em medidas de combate ao racismo. A ação foi tomada como forma de reparação à morte de um cliente negro em uma de suas lojas em Porto Alegre (RS), na noite de ontem. Mas a empresa ressalta que a quantia não é suficiente para reduzir a perda de uma vida humana. “O valor será destinado de acordo com orientação de entidades reconhecidas na área. Essa quantia, obviamente, não reduz a perda irreparável de uma vida, mas é um esforço para ajudar a evitar que isso se repita”, afirmou em nota.

Leia também: “Damares põe pasta à disposição de família de homem negro assassinado em Porto Alegre”

A companhia também anunciou outras medidas, entre elas, a instauração de investigação interna para apurar o ocorrido; a demissão do funcionário que estava no comando da loja no horário do crime e a suspensão do contrato com a empresa de segurança responsável pelos agentes envolvidos na morte de João Alberto Silveira Freitas. Ainda, está previsto o atraso por duas horas na abertura de todas as lojas amanhã, para orientação de colaboradores. O Carrefour informa que dará assistência à família da vítima.

Entenda o caso

Na noite da quinta-feira 19, João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, foi morto por dois homens. Um deles era segurança do supermercado e o outro, um policial militar temporário que fazia compras no local.

Segundo o relato da Polícia Civil gaúcha, por se recusar a sair da loja, Freitas foi conduzido até o estacionamento e, durante o trajeto, teria dado um soco em um dos vigias. Os agentes envolvidos na morte foram acusados de homicídio e presos em flagrante. Eles ainda podem ser autuados por homicídio triplamente qualificado.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Mas que coisa pessoal! Não houve racismo! Houve injustiça em todos os âmbitos. A vítima foi injusta, os seguranças foram injustos, a sociedade foi injusta, a JUSTIÇA foi injusta. Para mim a JUSTIÇA foi a maior culpada do ocorrido, pois a vítima já deveria estar incomodando há tempo, desde BOs efetuados pela própria esposa, família e transeuntes do supermercado.
    Nenhuma morte é justificável, mas a vítima criou todas as condições para que isso acontecesse.

    Responder
  2. É o fim do hipermercado!!!!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

O custo e o valor de ser ‘contrariador’

Prêmios como o ‘Contrarian Prize’ servem para aplacar o medo que muitos têm de se manifestar em defesa daquilo em que acreditam e assim reduzir o poder social do cancelamento cultural

Mentir e trancar é só começar

“Se você começar a proibir aglomeração em ônibus, vai faltar povo pra abastecer a quarentena vip, né?” / “Aí você captou tudo. Vidas doces importam”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Não é erro, é viés!

Não é uma tese conspiratória imaginar que há, sim, esquema nas pesquisas. Essa é uma possibilidade plausível

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O ex-mártir

O ex-mártir

"O antigo santo da luta anticorrupção, bandido para a esquerda e traidor para os bolsonaristas é um homem como qualqu...
A descoberta do ano

A descoberta do ano

"Desde o primeiro caso de covid-19, boa parte dos políticos viram na epidemia uma belíssima oportunidade para tirar pr...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 37 — 04/12/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês