Mídia chinesa recruta repórteres para turbinar sua máquina de propaganda

Edição da semana

Em 30 jun 2020, 04:30

Mídia chinesa recruta repórteres para turbinar sua máquina de propaganda

30 jun 2020, 04:30

Ex-jornalistas de redes respeitadas, como CNN e BBC, põem de lado a ética e o compromisso com a verdade para trabalhar para a TV estatal da China

cgtn, repórteres, china, partido comunista chinês,

O brasileiro Paulo Cabral: da BBC para a CGTN | Foto: Reprodução

Como conseguir credibilidade rápida, mesmo que a realidade não seja aquela que se deseja mostrar? A CGTN, rede de televisão estatal do Partido Comunista Chinês (PCC), encontrou uma fórmula no mínimo surpreendente.

A emissora contratou diversos jornalistas experientes, saídos de concorrentes como a americana CNN e a britânica BBC, e os colocou para fazer propaganda, no lugar de jornalismo.

Exemplo disso, o ex-âncora da CNN Sean Callebs se tornou, desde sua contratação pela CGTN, um ferrenho defensor do país ditatorial.

Ele elogiou as ações do PCC no meio ambiente, apesar de o país responder de modo consistente pela maior parcela mundial de emissões de gases de efeito estufa e poluir desproporcionalmente o ar e a água, por exemplo.

O mesmo aconteceu com a ex-repórter da rede norte-americana Karina Huber. Em seu entusiasmo com os novos patrões, ela levou os espectadores para dentro de sua casa para demonstrar como a grande maioria dos produtos que usava era fabricada na China, sem mencionar como as importações chinesas prejudicaram a vida norte-americana: os brinquedos chineses são feitos com tinta tóxica; os peixes chineses são cancerígenos devido à água poluída do país; o doce chinês foi contaminado com formaldeído; e o drywall chinês é feito com material radioativo.

E até mesmo um brasileiro se deixou cooptar pelos comunistas: ex-corrrespondente da BBC no Brasil, Paulo Cabral agora saúda o país asiático como “uma importante fonte de investimento necessário” para países como o Brasil, concluindo que “a China está tomando o lugar dos Estados Unidos na América Latina”.

Ele também falou abertamente da iniciativa Belt and Road do país, pela qual o PCC adquire participações na infraestrutura e nas indústrias dos países em desenvolvimento por meio de aquisições e investimentos predatórios.

Como conclusão, a CGTN paga a seus profissionais para que abram mão da ética e do compromisso com a verdade e os fatos para que a visão chinesa de mundo se espalhe com mais facilidade, partindo da boca (e dos textos) de quem já sabe como falar com o público ocidental.

Uma estratégia inteligente que pode passar despercebida a quem não prestar atenção à informação recebida.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

11 Comentários

  1. Serão muitos os jornalistas brasileiros, além do americano verdevaldo, a oficislizarem alguma proposta de trabalho, barata, ao PCC. Prestar desserviço ao BRASIL tem sido rotineiro p repórteres das sucursais chinesas no Brasil, Band, CNN e Globo.
    Reinaldo Azevedo, Eduardo Oinegue e sua trupe, herança do comunista e ateu Boechat, Miriam Leitão, Maynard, Caio Junqueira, Andrea Sadi, Renata é Bonner, todo o povo brasileiro de bem já mapeou esses estúpidos.
    Certamente ñ farão como Maynard, craques como o Coppola, Alexandre García, Lacombe e mais alguns que serão titulares em qq mídia séria do planeta.

    Responder
  2. O mais tem no Brasil é “jornalista” comunista. Nestes casos, o dinheiro paga o escrúpulo e o caráter deles!!
    A NOVA ORDEM MUNDIAL CHINESA: um regime único, pandemias fabricadas em laboratórios e controle da economia. Já anunciaram outro vírus. É mole ou querem mais??

    Responder
    • Por aqui nem precisa comprar jornalistas. Eles já fazem curso de aperfeiçoamento chinês em universidades tais quais USP, UFRJ e UNB.

      Responder
      • Verdade. 👍

        Responder
  3. *O que mais tem…

    Responder
  4. Aqui a China vai gastar dinheiro, tem muito jornalista atrás de uma boquinha. Fora a compra dos canais de TV.

    Responder
  5. E quando *exportam* jornalistas para falar bem dos americanos urubus ninguém fala nada. Acho incrível esse pessoal q coloca a culpa de tudo de ruim q acontece no mundo à China. Isso é só cortina de fumaça pra essa extrema direita horrorosa voltar ao cenário político, tipo Trump e Bolsonaro. Mas esse ano, se Deus olhar por nós o Estadunidense já saí abanando aqueles cabelos horrorosos. E não muito tempo depois o nosso Bozo, que no momento tá mais perdido que cusco em tiroteio. E por favor, quem comenta alguma coisa baseado em jornal “Conexão Política” tem mais é q ficar alienado em um quarto 2×2 o resto da vida.

    Responder
    • Comentário de esquerdsita. Defensora de comunista .
      #ForaChina #ForaDoria #ForaJornalistasComunistas

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês