Chile cede à esquerda e opta por nova Constituição - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 26 out 2020, 07:20

Chile cede à esquerda e opta por nova Constituição

26 out 2020, 07:20

Proposta de alterar a Carta Magna surgiu depois de protestos contra o governo de Sebastián Piñera

Chile

Manifestantes chilenos se organizaram para comemorar o resultado
Foto: Divulgação/Twitter

No domingo 25, os cidadãos do Chile que participaram de um plebiscito decidiram que o país terá uma nova Constituição. Com 99,7% das urnas apuradas, os resultados apontavam 78,2% dos votos a favor de outra Carta Magna. Além disso, 79% preferiram que o texto seja debatido por uma nova comissão a ser eleita posteriormente. A próxima etapa será eleger os membros desse colegiado e, na sequência, submeter o texto a outra consulta popular, prevista para 2022. O presidente do Chile, Sebastián Piñera, elogiou o processo eleitoral. “Hoje, triunfaram a cidadania, a democracia e a paz sobre a violência”, anunciou, pouco depois do resultado. “Uma nova Constituição nunca parte do zero”, acrescentou o presidente.

Leia também: “No Chile, extrema esquerda ateia fogo a igrejas”

A ideia de uma nova Constituição surgiu depois que protestos violentos organizados pela esquerda se espalharam pelo país, em outubro de 2019. Acuado, Piñera acenou aos manifestantes com medidas sociais. Contudo, foi pressionado pela classe política a convocar o plebiscito, de modo a alterar a Carta Magna em vigor, aprovada no regime do general Augusto Pinochet. Quem defende a manutenção do pacto social garante que ele deu estabilidade econômica ao país. E que alterações podem ser inseridas por meio de emendas, não sendo necessária uma mudança radical, como propõe o plebiscito de domingo. Já aqueles que querem uma nova Carta afirmam que o texto redigido no governo Pinochet estimula desigualdades sociais.

Não deixe de conferir: “Ideias, intuição moral e compromisso ideológico”, artigo de Bruno Garschagen publicado na edição n° 31 da Revista Oeste

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

19 Comentários

  1. ALGUÉM DUVIDA DO APOIO DA CHINA NAS MANIFESTAÇÕES??
    A VENEZUELA já está entregue aos chineses.
    A ARGENTINA também. Já foi anunciada a construção de uma BASE MILLITAR CHINESA no país.
    A BOLÍVIA não demora pra se entregar.
    A CHINA QUER DOMINAR A AMÉRICA DO SUL. O povo brasileiro precisa voltar às ruas contra as medidas autoritárias do Doria, Botafogo, Batoré e STF.

    Responder
    • Os chilenos terão dois caminhos, o caminho próspero com leis anti vagabundagem, e o caminho rumo ao precipício sem freio motor!
      Quem está pagando? Nos que caímos no arapuca chinesa.

      Responder
      • Lamentável o descaminho do Chile que duramente havia conquistado estabilidade e prosperidade, algo raro no continente! É a confirmação da sina do “perfeito idiota latino-americano”, profetizada por Vargas-Llosa!

        Responder
    • Exatamente!

      Responder
  2. Nós BRASILEIROS não devemos acreditar em qq conversa inicial sobre necessidade de uma nova Carta. Não q a de 88 seja algo bem elaborado, provado está que não, além de hoje estar Frankenstein e entendida ao gosto de homens despreparados, qdo não, infiltrados por ORCRIMS como o PCC ou partidárias.
    A questão é que os crápulas q a escreveriam, conseguem ser tão ou piores que os componentes da Assembleia constituinte de 88.
    E estamos sob uma ditadura de esquerda ferrenha, com apoio de org intern, ñ só no Brasil qto em vários países conservadores e cristãos. O Chile começou a entrar ralo abaixo.
    Só uma questão é prioritária no Brasil hoje, e se o POVO não for perseverante, haverá de ser único responsável pelo péssimo destino do PAÍS. A PRISÃO EM SEGUNDA INSTÂNCIA E O FIM DO FORO PRIVILEGIADO é nossa responsabilidade, dá mesma forma que em 2013 acabamos com o CONLUIO entre os 3 poderes, é premente distanciarmos o congresso Nacional do STF.
    Os homens em quem votamos, contrariam o claro RECADO dado nas ruas e praças de todo o PAÍS contra a CORRUPÇÃO, nos traem descaradamente, p manterem o status quo de corrupção e impunidade.
    Unamo-nos brasileiros de bem, acima de legendas e ideologias. LUGAR DE BANDIDOS É NA CADEIA, vamos reconstruir a nossa Pátria, separando o joio do trigo, e resguardando no que nos couber, essa CARTA Frankenstein e COMUNISTA e comunista.

    Responder
  3. A técnica comunista usada no Chile é antiga e chama-se pressão de base e pressão de cúpula. Faz-se uso de grupos apócrifos, que não foram eleitos ou nomeados por ninguém para atos de vandalismo e intimidação (base) para humilhar o poder instituído. Depois, aparecem os grupos políticos previamente designados (cúpula) para pressionar e dizer que a única forma de evitar o confronto é ceder. Este é o erro, na maioria dos países, os governantes são covardes e despreparados, logo cedem. Esta técnica está sendo usada hoje nos EUA com o BLM e no Brasil por todos os meios possíveis; vejam que Bolsonaro e Trump não cedem e estão corretíssimos. No Brasil isso ocorreu tb no governo de João Goulart, com a tentativa de insuflar as reformas de base (cúpula) e por meio da insurgência nos quartéis e vandalismo tb (base) abrindo o caminho para o comunismo maoísta, principalmente. Se quiserem saber mais, leiam o extraordinário livro “Cadernos da Liberdade”, de Sérgio Augusto de Avellar Coutinho, um dos maiores pesquisadores brasileiros. O livro é um contraponto ao “Cadernos do Cárcere”, de Gramsci, e é uma detalhada exposição de como o Movimento comunista internacional age. Não esqueçam João 8:32.

    Responder
  4. Lamentável o descaminho do Chile que duramente havia conquistado estabilidade e prosperidade, algo raro no continente! É a confirmação da sina do “perfeito idiota latino-americano”, profetizada por Vargas-Llosa!

    Responder
  5. Existe aquele ditado: cada um sabe onde lhe aperta o sapato. Se quase 80% dos chilenos está insatisfeita com as políticas neoliberais que guiam o pais, seria no mínimo prudente adotar mudanças para atender esse descontentamento popular. Já a atual carta magna foi imposta pelo regime Pinochet, um governo ditatorial que tomou e manteve o poder pela força e pelo medo. Pra você que não entende o regime Pinochet, aqui vai a explicação de um esquerdista anti polarização(seria como se o Bolsonaro vencesse as eleições, mas os petistas não quisessem aceitar o resultado. Então eles apoiados pelo exército chinês tomam o Brasil e cercam o Palácio do Planalto para matar o Bolsonaro. Depois da sua morte, organizam caravanas para matar seus apoiadores em todo o Brasil) Absurdo, Não? Aí você vai me falar: Mas isso tudo foi pra evitar o comunismo. Diferente do filme Minority Report, as pessoas não podem ser condenadas pelo que elas hipoteticamente poderiam vir a fazer. Ninguém sabe se o Chile iria virar uma Cuba, assim como ninguém sabe se o Brasil de João Goulart iria virar uma Cuba. Muitos diziam se o Molusco virasse presidente o Brasil viraria uma Cuba, mas não, ele continua democrático a ponto de destituir uma presidente dentro da lei e eleger o Bolsonaro no voto pela vontade popular.

    Responder
    • teste

      Responder
    • vc está errado.

      Responder
    • Acorda. Allende só virou presidente porque a coalizão que governava o Chile se rompeu. Allende ficou em primeiro lugar, MAS houve um segundo turno (eleição parlamentar) no qual a coalizão poderia ter votado junto, porém preferiram respaldar a primeira opção popular (que havia ganho por margem muito pequena em relação ao segundo colocado – enquanto que os dois outros candidatos, opositores de Allende, receberam junto muito mais votos).

      Responder
      • Allende entrou e tentou implantar o ********* no Chile, começando por desapropriação de empresas, etc.

        Responder
        • Acabou com o Chile… três anos depois foi derrubado. Não foi logo após a eleição como a sua ignorância ou má fé tenha fazer crer.

          Responder
  6. teste

    Responder
  7. Entrei na revista para conhecer. PENSAVA em assinar. MAS já desisti. Vcs são loucos. Não consigo colocar um comentário ABSOLUTAMENTE NORMAL. O sistema aceitou meio comentário, a outra parte não publica… não consigo imaginar qual palavra seja proibida, mas assim não dá. Acabem logo com os comentários.

    Responder
    • A palavra proibida, ACREDITEM, é o nome de um sistema político bastante conhecido. Hugo Chaves costumava dizer: “********** ou morte”. Sim, é absurdo… meu comentário não estava sendo publicado pq usei essa palavra proibida. Já me desencantei com a revista. No mínimo, paranoica.

      Responder
  8. A Venezuela era um dos países mais ricos da América do Sul foi destruído pelo comunismo, o Chile outro país rico e com excelente qualidade de vida vai ser também destruído em breve. Felizmente não faz fronteira com o Brasil.

    Responder
  9. Lá vai o Chile numa aventura ao desconhecido.

    Responder
  10. Traduzindo. Burros!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês