Chilenos decidem hoje futuro da Constituição - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 25 out 2020, 14:00

Chilenos decidem hoje futuro da Constituição

25 out 2020, 14:00

Carta Magna em vigor foi aprovada no regime do presidente Augusto Pinochet

chilenos decidem hoje futuro

Protestos no Chile, em 2019 | Foto: Divulgação/Twitter

Este domingo, 25, será decisivo para a Constituição do Chile. Isso porque os cidadãos do país decidem se modificam ou não a Carta Magna herdada do regime do presidente Augusto Pinochet (1973-1990). O plebiscito de hoje foi convocado pelo governo de Sebastian Piñera em resposta às manifestações de 2019, lideradas por esquerdistas, e que ressurgiram das cinzas na semana passada.

Os eleitores vão responder a duas perguntas: “Você quer uma nova Constituição?” e “Que tipo de órgão deve redigir a Nova Constituição?”. Conforme a imprensa local, as pesquisas dão uma vitória confortável ao “sim”, com 60% a 75% dos votos. Se aprovada, o novo pacto social será elaborado para, depois, ser submetido a voto popular em meados de 2022.

Quem defende a manutenção da atual Carta Magna garante que ela deu estabilidade econômica ao país. E que alterações podem ser inseridas através de emendas, não sendo necessária uma mudança radical, como propõe o plebiscito deste domingo. Já aqueles que querem uma nova carta afirmam que o texto redigido no governo Pinochet estimula desigualdades sociais.

Leia também: “Ideias, intuição moral e compromisso ideológico”, artigo de Bruno Garschagen publicado na edição n° 31 da Revista Oeste

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. Sempre analiso a conjuntura MUNDIAL, com foco no que pode ser seguro p o meu PAÍS. Neste contexto, o meu olhar 51% interno, recomenda aos meus amigos chilenos, q APERFEIÇOEM A CARTA. A questão é simples: os homens q estão aí, a nível MUNDIAL, inclua-se o argentino “chico”, o inacertado, ñ têm a mínima capacidade de criar nada de novo salutar, inclusivo, anti domínio COMUNISTA.

    Responder
  2. Vão acabar com o Chile, se isso prosseguir, igual ocorreu no Brasil, aonde a constituição deveria ajudar, mas só atrapalha, porque foi feita e votada por esquerdistas.

    Responder
  3. Exatamente Jussara. Tudo dominado. Eu ao longo dos 66, após ACABAR COM O CONLUIO ENTRE OS 3 PODERES, sistematicamente indo às RUAS com filhos e netos, TEMOS Q ACABAR O PROJETO, interrompido p pandemia genocida doriachina. Voltar às RUAS para exigir do congresso q nos trai descaradamente, a PRISÃO em SEGUNDA instância e o FIM do Foro privilegiado e a.

    Responder
  4. E a esquerda vai voltando ao continente. Quem poderá parar a China.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês