Clã Bolsonaro não está envolvido no caso Marielle, informa delegado - Revista Oeste

Edição da semana

Em 10 jun 2020, 15:10

Clã Bolsonaro não está envolvido no caso Marielle, informa delegado

10 jun 2020, 15:10

“Não há participação da família nesse evento, muito menos do presidente da República”, garantiu Antônio Ricardo Nunes

clã

O presidente Jair Bolsonaro e seus filhos | Foto: ROBERTO JAYME/ASCOM/TSE

O diretor do Departamento Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa da Polícia Civil do Rio, Antônio Ricardo Lima Nunes, descartou hoje a participação do presidente Bolsonaro e sua família na morte da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ). Ela e seu motorista, Anderson Gomes, foram assassinados em 2018.

No ano passado, em meio às investigações, a declaração de um porteiro do condomínio Vivendas da Barra, onde vivem o presidente e familiares, pôs o nome do clã presidencial no olho do furacão. O episódio ficou conhecido como “Seu Jair”.

Segundo o profissional, Élcio Queiroz (um dos acusados de matar a vereadora) entrou no local para visitar a casa de Jair Bolsonaro — posteriormente, descobriu-se que o então deputado estava em Brasília no dia do homicídio. Contudo, o suspeito foi à casa de Ronnie Lessa.

Em depoimento à Polícia Federal, o porteiro reconheceu o erro. Portanto, afirmou que se confundiu ao registrar o acesso de Élcio no livro da portaria do condomínio. Em síntese, cai por terra a afirmação segundo a qual o presidente e seu clã teriam participado do crime.

“Não há participação da família Bolsonaro neste evento, muito menos do presidente da República. Não temos indício de participação da família. Isso foi apurado, pois um funcionário do condomínio fez essas declarações. O funcionário pode ter caído em alguma contradição”, constatou Antônio Nunes.

Bombeiro preso

O bombeiro Maxwell Simões Correa foi preso na manhã desta quarta-feira, 10, suspeito de participar do assassinato de Marielle. Correa é alvo da Operação Submersus 2, realizada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ).

Segundo a Justiça, ele teria emprestado o carro para ocultar as armas usadas por Ronnie Lessa, suspeito de efetuar os disparos contra as vítimas.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Mais uma farsa dos perdedores chorões desonestos cai por terra! #Bolsonaro2022

    Responder
  2. O triste é ver que isso ainda é notícia!

    Responder
  3. A Globo não vai gostar. Vai por em dúvida do trabalho o delegado. Pode esperar.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O crime acima de todos

Não é que as instituições estejam funcionando mal, ou passando por alguma anomalia — ao contrário, elas são organizadas de maneira a tornar inevitáveis resultados como o que beneficiou André do Rap

O “cancelamento” contra a arte

Caso a sociedade se submeta a essa versão gourmetizada do stalinismo, nossos filhos e netos não terão o que ler, ouvir ou assistir

A segunda onda de hipocrisia

Em que pesem as comprovações de ineficácia dos lockdowns, enganadores como Emmanuel Macron fingem ter um mapa de bloqueio de contágio

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

O capitalismo pode salvar o mundo?

O sistema não é uma ideologia de laboratório, como o comunismo. É uma força viva, dinâmica, que há milênios se aperfeiçoa na satisfação das necessidades humanas

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês