Comércio do Rio tem queda histórica no 1º semestre - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 24 ago 2020, 17:10

Comércio do Rio tem queda histórica no 1º semestre

24 ago 2020, 17:10

Vendas despencaram 27% na comparação com o mesmo período de 2019 devido à pandemia de coronavírus

compercio, rio de janeiro, pandemia, crise do coronavírus

Comércio do Rio tem crise histórica devido ao coronavírus
Foto: Hmaglione10/Wikimedia Commons

O comércio do Rio de Janeiro teve queda de 27% nas vendas no primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2019. Foi o pior semestre da história do setor na capital, segundo análise do Clube dos Diretores Lojistas (CDL Rio) e do Sindicato dos Lojistas do Rio de Janeiro (Sindilojas). Juntas, as duas entidades representam mais de 30 mil estabelecimentos comerciais.

O presidente do CDL Rio e do Sindilojas, Aldo Gonçalves, afirmou nesta segunda-feira, 24, que o comércio carioca ainda não deu nenhum sinal de vigor depois da retomada das atividades, no último dia 27 de junho, embora algumas cidades do país já apresentem uma recuperação tímida das vendas.

Ele avaliou que a redução do consumo, gerada pelo confinamento social para evitar a contaminação pela covid-19 e também pela queda do poder aquisitivo em função do desemprego, segue afetando o setor.

“Dentre os mais prejudicados, do ponto de vista da economia, estão os micros, pequenos e médios empresários, que passam por momentos dramáticos, lutando desesperadamente para sobreviver. O cenário se revela no elevado índice de desemprego, assim como na desordem urbana, na violência resiliente, na proliferação de camelôs, nas sequelas da corrupção desenfreada de governos anteriores”, queixou-se Gonçalves.

Retração

O dirigente também lembrou que, no ano passado, as vendas tiveram retração de 2,9% em relação às de 2018, com resultado negativo em todos os meses.

“Mesmo em dezembro [de 2019], mês do Natal, a data comemorativa mais importante para o comércio, o varejo carioca amargou queda de 1,5% nas vendas”, destacou.

Para ele, a pandemia torna as perspectivas para 2020 ainda menos otimistas. Gonçalves acredita que o ano não deixará boas lembranças para a sociedade nem para os setores produtivos.

“Todos estão sofrendo as consequências da crise provocada pelo coronavírus. Nesse cenário, o Rio de Janeiro foi um dos mais atingidos, ao contrário da maioria dos Estados que experimentaram alguma recuperação.” Gonçalves lembrou ainda que todas as datas comemorativas do primeiro semestre deste ano anotaram quedas no Rio de Janeiro.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês