Como está sendo a retomada dos shoppings no Brasil - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 5 jun 2020, 19:30

Como está sendo a retomada dos shoppings no Brasil

5 jun 2020, 19:30

Leia entrevista de representante do setor a Oeste

shopping

Foto: Multiplan

O Brasil já tem mais de 200 shoppings. O estado com mais centros comerciais em funcionamento é São Paulo, com 38.

Os dados são da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce).

A Multiplan, uma das maiores administradoras país, faz a gestão de 18 shoppings e reabriu 7, nas seguintes cidades: Canoas (RS), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR), Brasília (DF), Ribeirão Preto (SP) e Jundiaí (SP).

Em entrevista a Oeste, nesta sexta-feira, 5, o vice-presidente Institucional da Multiplan, Vander Giordano, explica como está sendo a retomada gradual.

Ele destaca que o tempo de permanência dos consumidores caiu de 72 minutos para cerca de 25 a 28 minutos, o que demonstra que a ida ao shopping é pontual e para compras específicas.

Giordano também fala da expectativa para a reabertura na capital paulista, onde a empresa administra 3 shoppings: Morumbi Shopping, Anália Franco e Vila Olímpia.

LEIA TAMBÉM: Mesmo na ‘fase 2’, prefeitura de SP ainda não autorizou reabertura de shoppings

Acompanhe a entrevista de Vander Giordano a Oeste:

Como foi o movimento nestes primeiros dias de reabertura em cidades do interior, como Ribeirão Preto?

O que observamos nos nossos sete shoppings reabertos é que o fluxo de pessoas diminuiu e o tempo de permanência caiu de 72 minutos para cerca de 25 a 28 minutos, reforçando que a ida ao shopping é pontual e para compras específicas. Percebemos também que as pessoas têm colaborado com as medidas de prevenção, usando máscaras, respeitando o distanciamento mínimo e obedecendo à necessidade de fazer a aferição de temperatura.

Como a empresa recebeu a decisão de flexibilização no estado de São Paulo?

Recebemos a decisão de forma positiva. Vínhamos nos preparando para realizar a reabertura com serenidade e tranquilidade. Seguimos todas as medidas determinadas pelo poder público, implantando medidas adicionais que fazem parte do protocolo que desenvolvemos com apoio de profissionais da saúde. A Companhia, que sempre teve uma preocupação com a saúde, está preparada para uma retomada gradual e segura, seguindo também as recomendações da Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce), que teve seu protocolo de operações aprovado pelo hospital Sírio Libanês.

Qual é a expectativa para a reabertura na capital paulista?

Nesse momento, estamos aguardando o decreto municipal para a reabertura dos shoppings na capital paulista. Importante ressaltar que será uma retomada cautelosa, seguindo medidas rígidas de segurança, para preservar o bem-estar de clientes, lojistas e colaboradores. Nosso protocolo foi orientado por infectologistas e inclui controle do fluxo de pessoas, reforço na limpeza e campanha educativa com recomendações de higienização e saúde, incluindo sinalização para orientar o distanciamento entre as pessoas.

A Multiplan já apresentou os documentos pedidos pela prefeitura? A gestão municipal deu alguma previsão?

Os documentos foram protocolados na segunda-feira pela Abrasce, que teve seu protocolo de operações aprovado pelo hospital Sírio Libanês, e seguimos aguardando o decreto para efetuar a reabertura dos nossos shoppings centers.

A Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) acredita que os shoppings sejam um dos lugares mais seguros, onde é possível monitorar as medidas de higiene. A Multiplan compartilha deste entendimento?

Entendemos que os shoppings são ambientes controlados e, portanto, seguros para os clientes que precisam fazer compras neste momento. Neles, é possível limitar o acesso de pessoas, os corredores são amplos, o pé direito é alto, o padrão de higienização e desinfecção é rigoroso – com normas rígidas na forma e na frequência da limpeza – entre outras características que preservam a segurança do público. Nossos shoppings seguem um padrão de excelência já reconhecido, o que nos ajuda a transmitir aos consumidores e parceiros a percepção dessa segurança. Será uma retomada cautelosa, seguindo um protocolo rígido de segurança, para manter os clientes, lojistas e colaboradores seguros.

Existe uma estimativa do impacto financeiro até agora?

Como a Multiplan é uma companhia de capital aberto, não podemos antecipar esse tipo de informação.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O partido contra o Brasil

Ninguém ainda descobriu no planeta um jeito tão eficaz de concentrar renda quanto a fórmula usada para administrar as contas públicas no país

A paciência acabou

Os brasileiros começam a reagir à cassação dos direitos individuais

Os novos senhores do mundo

Os gigantes da tecnologia censuram Trump, fazem o que bem entendem e exercem um poder global desmedido. Isso é justo?

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Como surgiu o novo coronavírus?

A resposta mais provável, até o momento: o vírus teve origem em pesquisas com manipulação genética no Instituto de Virologia de Wuhan

Globalistas assanhados com Biden

Eles não costumam viver de fatos, apenas de narrativas. Adotam a visão estética de mundo, e por isso a ONU é seu maior símbolo

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês