Como serão distribuídos os R$ 2 bilhões do Fundo Eleitoral - Revista Oeste

Edição da semana

Em 29 set 2020, 20:40

Como serão distribuídos os R$ 2 bilhões do Fundo Eleitoral

29 set 2020, 20:40

Até agora, apenas dois partidos se recusaram a receber a bolada

crédito - empréstimo - dinheiro

Cédulas | Foto: joelfotos/Pixabay

Usado pela primeira vez em 2018, o Fundo Especial de Financiamento de Campanha — ou simplesmente Fundo Eleitoral — serve para custear as campanhas dos políticos durante a eleição. É dinheiro que sai do bolso do pagador de impostos para que os 33 partidos que existem no Brasil possam, entre outras coisas, imprimir santinhos, contratar cabos eleitorais, financiar vídeos de campanha e se projetar nas redes sociais. Em 2020, nada menos do que R$ 2 bilhões foram destinados a esse fundo.

A distribuição dos recursos é feita de acordo com o desempenho de cada legenda na eleição mais recente. Os partidos precisam comprovar que estão capacitados a receber suas cotas e, se preferirem, podem abrir mão delas. Até o momento, das 21 agremiações consideradas aptas pela Justiça Eleitoral, apenas duas recusaram o dinheiro. Outras dez ainda precisam ser aprovadas. Oeste fez um levantamento para mostrar o valor que cada partido poderá receber e quanto isso significaria por candidato.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Fundão eleitoral é coisa de marginal! Quem usar será garantida uma viagem pro colo do capeta!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês