Congresso quer visibilidade pelo novo 'Renda Brasil' - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 24 set 2020, 18:15

Congresso quer visibilidade pelo novo ‘Renda Brasil’

24 set 2020, 18:15

Bolsonaro passou a missão de arrumar espaço no Orçamento para financiar o novo programa para o Congresso

Renda Brasil

Proposta está sendo discutida entre o governo e o Centrão
Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

ca discussão sobre o Renda Brasil estava descartada, integrantes do Congresso sinalizaram ao chefe do Executivo que vão discutir a criação de um novo programa social. A ideia dos congressistas é dividir com Bolsonaro a visibilidade da aprovação do programa.

De acordo com integrantes do Palácio do Planalto ouvidos por Oeste, Bolsonaro passou a missão de arrumar espaço no Orçamento para financiar o novo programa para o Congresso. Com isso, o presidente evita desgastes com a equipe econômica.

Leia mais: “Guedes insiste em CPMF para gerar empregos”

Por outro lado, congressistas afirmam que, levando o debate para o Legislativo, seria possível aproveitar os ganhos eleitorais com a aprovação do projeto. Entre os argumentos, os parlamentares afirmam que apenas o presidente ficou com os bônus políticos do auxílio emergencial de R$ 600.

Conforme Oeste apurou, o nome Renda Brasil, que foi descartado, dará lugar a Renda Cidadania. Até agora, o projeto só pode contar com R$ 34,9 bilhões previstos para o Bolsa Família em 2021 na proposta de Orçamento enviada pelo governo. De acordo com os articuladores, serão necessários mais R$ 30 bilhões para ampliar o programa nos moldes planejados pelo governo.

Em reunião com integrantes do governo e do Congresso desta quarta-feira, 23, Bolsonaro sinalizou as condições para criação do projeto. Líder do governo, Ricardo Barros (PP-RS) destacou que todas as propostas do governo vão respeitar o teto de gastos e o rigor fiscal.

“A consulta aos líderes é fundamental. Portanto, não há nenhuma afirmação que possamos fazer de que isso ou aquilo estará dentro do texto a ser apresentado”, destacou Barros.

De acordo com um dos presentes à reunião, a ideia do governo é evitar ao máximo os vazamentos sobre o programa antes de sua total formulação. Nas últimas semanas, Bolsonaro se irritou após a equipe econômica vazar que pretendia congelar, por dois anos, o valor das aposentadorias para bancar o Renda Brasil.

“O presidente sinalizou que a missão de encontrar brechas no Orçamento será do Congresso. Os líderes sabem dos ganhos políticos que vão ter. Portanto vão se esforçar para trabalhar em conjunto com o governo”, afirmou um assessor palaciano ouvido por Oeste.

Amarras do Orçamento

Com um orçamento engessado, os congressistas estudam a possibilidade de remanejar verbas de outros setores para conseguir os R$ 30 bilhões de que necessitam para a área social. A avaliação é de que ainda há “gordura” nos custos com a máquina administrativa e com servidores.

Os articuladores avaliam que existe espaço para reduzir custos com contratação de mão de obra terceirizada, funcionalismo, incluindo auxílio-alimentação, viagens, treinamentos e também penduricalhos que reforçam os salários mais altos da administração pública.

A contratação de mão de obra, por exemplo, tem um gasto de R$ 5 bilhões por ano. O auxílio-alimentação representa um custo de R$ 4,3 bilhões nos três Poderes da União. Uma das ideias que circularam é suspender esse benefício para quem ganha acima de três salários mínimos.

 

 

 

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês