Maia tenta frear iniciativas de parlamentares para adiar eleições - Revista Oeste

Em 28 mar 2020, 09:30

Maia tenta frear iniciativas de parlamentares para adiar eleições

28 mar 2020, 09:30

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), diz que é contra o adiamento das eleições municipais, mas vai ter que se articular bem se quiser evitar que isso ocorra. Cresce no Congresso os movimentos para usar recursos partidários e eleitorais para o enfrentamento do coronavírus. Se isso ocorrer, é possível, avaliam alguns parlamentares, que as eleições municipais sejam adiadas para 2021 — isso se não forem prorrogadas para 2022.

Deputados e senadores fazem movimentações nas redes sociais para empregar R$ 2 bilhões do fundo eleitoral e aproximadamente R$ 1 bilhão anual do fundo partidário (dinheiro de manutenção dos partidos) para o combate ao coronavírus. Ainda há quem defenda a destinação de R$ 4 bilhões da Justiça Eleitoral para a mesma finalidade, cerca de 50% do volume. Se isso ocorrer, seriam R$ 7 bilhões investidos no total.

Existe quase que um consenso atualmente no Parlamento para se utilizar os fundos partidário e eleitoral. O próprio Maia é sensível à ideia, e admite deputados a possibilidade de votar proposta nessa linha nas próximas semanas. Mas o uso do dinheiro da Justiça Eleitoral, como aventam alguns parlamentares, a exemplo do senador Irajá (PSD-TO), poderia sacramentar o adiamento das eleições municipais.

Nas redes sociais, Irajá frisa, contudo, que é a favor do uso de recursos da Justiça Eleitoral caso fique definido a postergação do pleito municipal.

TAGS

3 Comentários

  1. Contamos com o discernimento e a boa vontade de tôdos os Parlamentares. A VIDA agradece. Que Deus os abençoe.

    Responder
  2. Uê cadê o comentário que enviei?

    Responder
    • Adiar votações me parece uma boa jogada para os atuais eleitos, mas pergunto: como ficaria o mandato seguinte? Só com 2 ou 3 anos? Ou estenderiam o próximo tb? Boa jogada,mas não acho nada bom para o povo. Eles podem muito bem usar mídias sociais e ir visitar moradores, conversar sem se aproximar mto. Como antigamente. Sem grandes reuniões e sem muito lero-lero. Digam o essencial e somente o que interessa, que todos entenderão. E parem de ficar comprando eleitor. Pronto, o pessoal vai saber escolher entre as melhores propostas. A maioria do povo já está bastante consciente para poder votar nas maiores cidades.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Coronavírus

Assine a nossa news

Revista Oeste — Edição 10 — 29/05/2020

Oeste Notícias