Coronavírus: internações e mortes por SRAG não aumentam no Brasil - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 27 nov 2020, 15:25

Coronavírus: internações e mortes por SRAG não aumentam no Brasil

27 nov 2020, 15:25

Cerca de 95% das mortes registradas com o vírus chinês estão relacionadas à síndrome respiratória aguda grave

Equipe médica | Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O número mensal de internações e mortes de pacientes contaminados com o novo coronavírus que desenvolveram a síndrome respiratória aguda grave (SRAG) não está subindo no Brasil. Semanalmente, o Ministério da Saúde disponibiliza todos os registros da doença no país, o que inclui os pacientes que testaram positivo para a covid-19, quantos precisaram de internação e a evolução de cada caso — se recebeu alta ou morreu.

De acordo com o levantamento feito por Oeste, com a versão mais recente desses dados, cerca de 95% das mortes com o vírus chinês estão relacionadas à SRAG. Nas comparações mensais, não houve aumento nas hospitalizações e nas mortes entre brasileiros em decorrência da SRAG. Oeste também comparou a evolução do quadro no Estado de São Paulo e na capital paulista.

Desde o começo da pandemia até a última quinta-feira, 26, as autoridades de saúde brasileiras registraram a morte de 171 mil pacientes com a covid-19. Das vítimas, pelo menos 163 mil constam na atualização do banco de dados de Vigilância de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) do Ministério da Saúde.

Panorama das internações e mortes por SRAG no Brasil

O registro de brasileiros contaminados com o coronavírus que desenvolveram a SRAG atingiu seu pico em julho, e o de mortes, em maio. Depois de cada máxima, no entanto, a diminuição mensal se manteve constante. Em outubro, cerca de 36 mil vagas hospitalares foram ocupadas e a doença fez aproximadamente 12 mil vítimas em todo o país. Já em novembro, até o dia 23, os números não aumentaram, chegando a 17 mil internações e quase 6 mil mortes. Ainda que haja crescimento neste mês, é pouco provável que em apenas sete dias [uma vez que a atualização foi feita até 23 de novembro] os registros superem os de outubro.

Panorama das internações e mortes por SRAG no Estado de São Paulo

No Estado de São Paulo, os dois recordes aconteceram em julho, com pouco mais de 27 mil hospitalizações e cerca de 8 mil óbitos. Novamente, a queda se manteve ininterrupta no fechamento de cada mês depois das marcações mais elevadas. Em outubro, 9 mil pacientes foram internados e pouco mais de 3 mil morreram. Até o 23º dia de novembro, 5.186 doentes deram entrada nos hospitais e 1.346 morreram.

Panorama das internações e mortes por SRAG na cidade de São Paulo

Os paulistanos registraram as máximas de internações e mortes em maio. Da mesma maneira que no Estado e no país, a melhora se sustentou nos meses seguintes na cidade de São Paulo. Até a segunda-feira 23, os óbitos registrados em novembro eram pouco mais da metade do número  verificado no mês anterior. As internações também se mostram em queda, com média diária menor em novembro do que em outubro: cerca de 78 contra 80.

Confira a evolução da doença no Brasil e no mundo

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O partido contra o Brasil

Ninguém ainda descobriu no planeta um jeito tão eficaz de concentrar renda quanto a fórmula usada para administrar as contas públicas no país

A paciência acabou

Os brasileiros começam a reagir à cassação dos direitos individuais

Os novos senhores do mundo

Os gigantes da tecnologia censuram Trump, fazem o que bem entendem e exercem um poder global desmedido. Isso é justo?

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Como surgiu o novo coronavírus?

A resposta mais provável, até o momento: o vírus teve origem em pesquisas com manipulação genética no Instituto de Virologia de Wuhan

Globalistas assanhados com Biden

Eles não costumam viver de fatos, apenas de narrativas. Adotam a visão estética de mundo, e por isso a ONU é seu maior símbolo

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês