Coronavírus: Israel suspende orações nas sinagogas - Revista Oeste

Edição da semana

Em 25 mar 2020, 12:30

Coronavírus: Israel suspende orações nas sinagogas

25 mar 2020, 12:30

Medida foi tomada pelos dois rabinos chefe; cerca de 25% dos doentes no país se contaminaram nos locais de oração

O muro do templo de Jerusalém
Foto: Wayne McLean/Wikimedia

Os rabinos chefe de Israel David Lau e Yitzhak Yosef divulgaram um documento onde pedem ao público que não vá às sinagogas para orar. O objetivo da medida é conter a pandemia do coronavírus.

Segundo um levantamento divulgado na última terça-feira, 24, cerca de 25% dos 2170 israelenses com o coronavírus se contaminaram nas sinagogas. Só estão permitidas orações com no máximo 10 pessoas, desde que aconteçam em locais abertas e com uma distância mínima de dois metros entre os participantes.

De acordo com o The Jerusalem Times, no documento divulgado, os rabinos chefe pedem “que todos continuem a rezar por toda humanidade e para que Deus logo envie uma cura para todos aqueles que precisam”.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês