'Coronavoucher' ajudou cidades pequenas a manter ativa a economia

Em 10 ago 2020, 16:49

‘Coronavoucher’ ajudou cidades pequenas a manter ativa a economia

10 ago 2020, 16:49

Impacto do auxílio emergencial de R$ 600 oferecido pelo governo federal foi mais intenso nas Regiões Norte e Nordeste

auxílio emergencial, impacto, cidades pequenas, governo federal, coronavoucher

“Coronavoucher” teve mais impacto em cidades do Norte e do Nordeste do país
Foto: Reprodução

Um estudo realizado pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) mostrou que o auxílio emergencial de R$ 600 — popularmente chamado de “coronavoucher” foi responsável por manter ativa a economia durante a pandemia em municípios de menor renda e Produto Interno Bruto (PIB) e alta vulnerabilidade.

De acordo com um dos autores do estudo, as Regiões Norte e Nordeste obtiveram maior impacto com o recebimento do auxílio.

“Se for olhar o impacto sobre o PIB ou sobre a massa de rendimentos das famílias, tem vários municípios de Estados do Norte e do Nordeste que se beneficiam bastante, como o Pará e o Maranhão”, explicou o professor de economia da UFPE Ecio Costa. “No estudo, a gente apresenta uma relação desses Estados, onde há [lugar] em que o impacto sobre o PIB estadual chega a ser mais de 8% e, em nível municipal, tem alguns em que o impacto chega a 27%.”

Ainda segundo o trabalho, apesar de o Estado de São Paulo ser o que mais recebe recursos, em termos absolutos, quando comparado com o tamanho de sua economia e o impacto sobre o PIB, sua posição é apenas a 25ª. O Estado mais beneficiado é o Maranhão, com algo em torno de 5% de seu PIB. “Os municípios das Regiões Sul e Sudeste são os menos impactados na análise relativa, ou seja, como porcentual do PIB”, destacou Costa.

Para o pesquisador, o que mais chamou atenção na pesquisa foi a eficácia e o foco da política.

“A política vai diretamente na família dos municípios mais pobres das regiões mais pobres do Brasil e traz um impacto significativo para esses municípios, justamente pela forma como está sendo conduzida: não há intermediários, é uma transferência de recursos direta para essas pessoas que mais precisam, quer sejam cadastradas no Bolsa Família, Cadastro Único e também os informais. Então, traz realmente um impacto significativo tanto nas famílias mais pobres como nos municípios que mais necessitam”, analisou.

Com relação à utilização do dinheiro, o professor diz que a verba tem sido empregada de modo bem pulverizado. “Em geral, as famílias gastam com alimentação, vestuário, pagamento de contas, compra de itens para a casa, de forma bem pulverizada. São milhões de pessoas recebendo esses recursos distribuídos ao longo do país como um todo, fazendo com que tenham a liberdade para gastar como bem entenderem”, completou.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Isso a Globolixo não mostra!

    Responder
  2. E os responsáveis(governadores, prefeitos e tutti quanti) pelo confinamento e quarentena que quebraram a economia a mando da China comunista?? Quando serão responsabilizados e desmascarados?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Coronavírus

Revista Oeste — Edição 27 — 25/09/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês