Auxílio emergencial evitou que 5,6 milhões de crianças fossem parar na extrema pobreza - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 7 jul 2020, 22:30

Auxílio emergencial evitou que 5,6 milhões de crianças fossem parar na extrema pobreza

7 jul 2020, 22:30

Pesquisa do Ibre/FGV aponta que sem as distribuição dos recursos pelo governo federal, quase 8 milhões de crianças seriam afetadas

pobreza extrema, coronavoucher, auxílio emergencial, governo federal, fgv, pesquisa

Sem coronavoucher, mais de 28 milhões de brasileiros teriam caído na pobreza extrema

Pesquisa do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) mostra que o auxílio emergencial evitou que 5,6 milhões de crianças entrassem para a extrema pobreza.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que 2,27 milhões de crianças, entre zero e 13 anos, estavam abaixo da linha da extrema pobreza em maio, ou seja, 5,5% do total de pessoas nessa faixa etária no país.

Sem a distribuição do coronavoucher, esse número subiria para 7,93 milhões, o equivalente a 19,4% do total.

Com relação à população de todas as idades, o auxílio emergencial evitou que 19,17 milhões de pessoas caíssem na pobreza extrema.

Sem ele, o número total de pessoas nessa situação iria para 28 milhões, 8,83 milhões a mais, segundo a FGV.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês