Corrida pela hidroxicloroquina faz o medicamento faltar para quem dele precisa - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 21 mar 2020, 15:33

Corrida pela hidroxicloroquina faz o medicamento faltar para quem dele precisa

21 mar 2020, 15:33

Pessoas que se tratam de doenças autoimunes como a artrite e o lúpus não estão encontrando os remédios indicados nas farmácias

A hidroxicloroquina é um dos principais medicamentos para o tratamento de doenças autoimunes, como a artrite e o lúpus. Com as declarações do presidente americano de que ela é eficiente contra o coronavírus e a subsequente corrida das pessoas às farmácias, muitos estão sendo obrigados a modificar suas rotinas e tratamentos.

A autônoma Marcelle Fassine, de 35 anos, trata um lúpus há mais de dez anos e não sabe o que vai fazer se o remédio acabar: “Desde ontem, já percorri quase todas as farmácia daqui do Rio, liguei para várias, tentei comprar pela internet, mas também não consegui”. Ela contou que ainda possui uma semana de estoque do medicamento e que pretende cortar a dose pela metade.

No Brasil, o medicamento, também utilizado no tratamento da malária, é fabricado por três laboratórios: Apsen, EMS e Sanofi Aventis. Segundo a Ultrafarma, um dos principais sites de venda de remédios do Brasil, não existe mais o medicamento em estoque e a reposição deve demorar, já que a prioridade das fabricantes é atender aos hospitais.

De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Reumatologia, José Roberto Provenza, é inaceitável que as pessoas comprem medicamentos de que não precisam. Ele lembra que a hidroxicloroquina só deve ser utilizada com orientação de um médico.

Com informações do Estadão Conteúdo.

 

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Como as pessoas são irresponsáveis.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês