Corrupção antecipa o fim da Dersa - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 21 out 2020, 06:44

Corrupção antecipa o fim da Dersa

21 out 2020, 06:44

Detalhes sobre a liquidação da empresa, que havia sido autorizada em setembro de 2019, foram publicados no D.O. desta quarta

Paulo Preto

Ex-diretor de engenharia da Dersa Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto | Foto: Robson Fernandes/Estadão Conteúdo

Abrigo de uma das mais intrigantes caixas-pretas do país, a Dersa, sigla que identifica a empresa Desenvolvimento Rodoviário S/A, entrou em processo de liquidação nesta quarta-feira, 21. Fundada em 1969, a companhia de economia mista é responsável por construir, operar, manter e administrar boa parte das rodovias e outras infraestruturas em transporte do Estado de São Paulo.

A liquidação foi precipitada pelos prejuízos financeiros colecionados nos últimos anos, além de diversos casos de corrupção. O mais notório deles envolveu Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, ex-diretor da Dersa e considerado pela Polícia Federal como o operador das propinas pagas ao PSDB durante a construção do Rodoanel Mário Covas. A obra é a maior do gênero em andamento no país.

As rodovias e outras infraestruturas em transporte administrados pela Dersa passarão pelo comando de outras operadoras do governo e, os servidores públicos, serão realocados. “Os serviços de travessias litorâneas outorgados à DERSA – Desenvolvimento Rodoviário S.A., por meio do Decreto nº 29.884, de 4 de maio de 1989, passam a ser administrados pelo Departamento Hidroviário, da Secretaria de Logística e Transportes”, informa o texto do Diário Oficial do Estado publicado nesta quarta. “A partir do início do respectivo processo de liquidação, a vinculação das empresas públicas e sociedades de economia mista fica transferida para a Secretaria de Projetos, Orçamento e Gestão”.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. Que se acabe com as “boconas gulosas” de FHC e seus pares, mas não se encerrem os processos, e que na totalidade, os funcs públicos lá lotados não sejam relocados em empresas “filhotes” da Dersa. Fechem-se os cofres não os transfiram de “domicílios”. Lares têm “cuecas”.

    Responder
    • Para continuar o trabalho de desmonte da NAÇÃO, a globolixo, como vem fazendo está semana, terá foto não só da família Bolsonaro junto a CHICO CUECA, querendo induzir que O NOSSO PRESIDENTE é amigo do amigo do meu pai.
      Tá comprando caro essa corporação ordinária, pelo menos uma foto do Paulo Preto no ambiente com algum parente de sobrenome Bolsonaro. Vai comprar caro se não tiver, e como fake é permitido constitucionalmente na esquerda, se não conseguirem tem montagem à vista.
      É só tiro nos pés, propaganda gratuita p o Capitão.

      Responder
  2. Se o crime não compensasse, não existiria corrupção no Brasil.

    Responder
  3. Que vergonha, Branca Nunes! DERSA que dizer: Desenvolvimento Rodoviário S. A. Portando: “Corrupção antecipa o fim D-O DERSA.

    Responder
    • Segundo o próprio governo do Estado, o correto é A Dersa. Um trecho do site do órgão, por exemplo, explica que, “desde 1989 a DERSA administra e opera o sistema de Travessias Litorâneas do Estado de São Paulo…”.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

A obsessão da imprensa por Donald Trump

Com o único propósito de ser anti-Trump, a mídia não saberá o que fazer se não puder culpar o bufão laranja por todo o mal que eventualmente venha a acontecer

O Guevara da Daslu

Faça como Doria. Pare diante do espelho, fale meia dúzia de clichês do humanismo de butique e note que você também tem um corpinho de centro-esquerda

A China e a fábula dos pardais

Enquanto o discurso ambientalista foca a Amazônia e as mudanças climáticas, a China segue com suas práticas predatórias e não assume responsabilidades

O gênio e o mito

Maradona não deveria ser uma referência moral para ninguém. Mas é um equívoco não homenageá-lo por seu futebol-arte

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O que é o projeto BR do Mar?

O que é o projeto BR do Mar?

Texto tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados e pode ser votado a qualquer momento no plenário...
É o “mecanismo”

É o “mecanismo”

A 3ª maior doadora da campanha paulistana do PSOL é uma herdeira da empreiteira de obras públicas Andrade Gutierrez...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês