3 milhões de mortes por covid-19 no Brasil, disse Atila Iamarino

Edição da semana

Em 3 ago 2020, 20:57

Covid-19: Atila Iamarino projetou 3 milhões de mortes no Brasil

3 ago 2020, 20:57

Em vídeo, biólogo foi além de comentar a possibilidade de o país ter 1 milhão óbitos em decorrência do novo coronavírus

atila iamarino - entrevista - 3 milhões de mortes

Atila Iamarino: afirmação de que o Brasil poderia ter 3 milhões de mortes por causa da covid-19 | Foto: REPRODUÇÃO/YOUTUBE

No último fim de semana, internautas promoveram a hashtag #OAtilaMeEnganou no Twitter. A campanha digital relembrou comentário feito pelo biólogo e youtuber Atila Iamarino em relação à covid-19. De acordo com ele, o Brasil chegaria a agosto com 1 milhão de mortos em decorrência da doença provocada pelo novo coronavírus.

Leia mais: “Felipe Neto já foi condenado por espalhar fake news; entenda”

Diante da situação, apoiadores do biólogo enfatizaram que ele teria apenas repercutido estudo realizado há meses pelo Imperial College London, do Reino Unido. Levantamento esse que, aliás, estaria relacionado à condicional se nada fosse feito pelas autoridades brasileiras no combate à disseminação do vírus. Caso contrário, o número de mortes no país não chegaria à casa dos milhões em agosto — como não chegou.

Por meio de #ObrigadoAtila, grupo de usuários do Twitter fez do movimento em favor de Atila um dos assuntos mais comentados na rede social no fim de semana. Conforme a hashtag sugere, houve internauta que sugeriu a importância do biólogo para que o Brasil não contabilizasse 1 milhão de mortes por causa da covid-19. Afinal, argumentou-se que a divulgação dele fez com que medidas de prevenção fossem adotadas pelos governantes.

1 milhão X 3

A disputa de hashtags favoráveis e críticas a Atila Iamarino ganhou, no entanto, um novo dado. Vídeo em que o biólogo foi além de falar em 1 milhão de óbitos por covid-19 no Brasil ganhou vez. Isso porque internautas recuperaram trecho de entrevista em que Atila afirma que a doença provocaria 3 milhões de mortes.

O vídeo em questão mostra parte da entrevista que o biólogo concedeu ao canal MyNews, do YouTube, em 23 de março. O trecho sobre a projeção de 3 milhões de mortes, entretanto, foi excluído do material que segue no ar. Ao responder a um comentário, a equipe do MyNews informou que atendeu ao pedido do entrevistado, que solicitou a edição do vídeo.

mynews - aviso

Foto: REPRODUÇÃO/YOUTUBE

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

17 Comentários

  1. Brasil o pais das chutometria

    Responder
    • O Brasil que já criou um estrupicio a base de fake News chamada Mãe Dinah, agora acaba de criar outro.

      Responder
  2. O Brasil, além de ser o País da piada pronta, é, também, o País da piada prontamente levada à sério. Eu acompanhei esse tal de Atila até o dia da famigerada ‘live’ na qual ele adaptou o péssimo estudo de Oxford para o cenário Brasileiro e disse que o Brasil teria 1 milhão de mortos até o final de agosto COM as políticas de mitigação. Sem tais ações de mitigação, ele disse que o Brasil teria um cenário pior do que o dos EUA, que, segundo ele, teriam 2,6 milhões de mortes. Em abril, fiz os meus próprios cálculos e cheguei ao número de 250 mil nos Estados Unidos (até o fim do ano) e 64% disse número no Brasil. Até agora, estou acertando muito mais do que o doutorzinho alçado a grande cientista aí.

    Responder
  3. O mais ridículo de tudo é o endosso da mulher da extrema esquerda:”É o que imaginei.”

    Responder
  4. o grande problema dessas pessoas, que chutam mais que jogador de futebol, é que a internet não esquece jamais… não adianta editar.

    Responder
  5. Não só a internet não esquece, Antônio, como as pessoas antes mais manipuladas estão se deixando enganar menos. Isso está mudando. Devagar sim, mas de modo contínuo.

    Responder
  6. Essa “sumidade” virou ídolo da esquerda e foi entrevistado pelo Roda Viva da Verinha. Seria este um cientista para o STF? Este é o Brasil das Fake News.

    Responder
  7. O Brasil é terreno fértil para os cientistas do “eu acho”. A achologia é uma ciência que permite entender um outro ramo de estudo muito comum por estas terras de bananas: o esquerdismo mau-caráter.

    Responder
  8. Muito pior são pessoas que dão voz e audiência para uns picaretas desses aí. Cientista… Só se for para as negas dele.

    Responder
    • Você tem razão, o espaco na mídia que dão a esses seres, só pq são da esquerda, são do contra tudo, é simplesmente ridículo. Isso é o fruto da imprensa esquerdopata brasileira.

      Responder
  9. O Brasil por ser refém de ignorantes e maus-caracteres não consegue largar a âncora.
    Povo sem instrução que necessita escutar o que demagogos, hipócritas e formadores de opinião venham a falar para se sentirem mais seguros, i.e., colocar a responsabilidade de suas decisões neles.
    A Globo, o Estadão, a Folha, corruptos e os ignorantes que compõe a maioria dos partidos de esquerda são os verdadeiros protagonistas do atraso, pois que necessitam da miséria e da massa de manobra de ignorantes para suas respectivas sobrevivências.
    Estamos acovardados, trancafiados em casa sem necessidade, matando a economia e consequentemente impedindo o desenvolvimento social, mas nos damos por satisfeitos porque a Decisão não é nossa, é dele!

    Responder
  10. Isso é o que dá brincar com coisas sérias. Devia ter deixado esse assunto com os adultos, santa molecagem.

    Responder
  11. Ô, seu apedeuta! Quer aparecer? Pendure uma melancia ao pescoço, e saia nu por aí.

    Responder
  12. Para começar eu fico me perguntando….que espécie de país vivemos onde milhares e milhares de pessoas, acompanham um cidadão deste naipe….? Um fdp que não sabe nem “por onde uma galinha mija”…É seguido, escutado, defendido por um montão de gente…Será possível…? Ou essa turma tem mxxda na cabeça ou comeram quando eram crianças!
    Com todo respeito aos biólogos, mas o jumento fala em milhões de mortes…como se o fato de ser biólogo lhe conferisse algum conhecimento na área de infectologia, suficientemente robusta, para fazer esse tipo de afirmação!
    Aí vem um dos tontos já qualificados acima para dizer: “Ah! Foi por causa do Imperial College…!” ahahahah! Balela…Desde o início havia correntes desmentindo e questionando as afirmações desse organismo britânico e ninguém em sã consciência (e que não fosse um fdp querendo por fogo no circo como parece ser o caso deste tal infeliz..) ousaria afirmar esse tipo de coisa ainda mais sabendo da quantidade de estúpidos que alcança…!
    Esse senhor não vale um níquel furado e devia receber o pagamento que merece por tamanhas tolices que profere e pagar na justiça pelo mal que, certamente, causou a muita gente!

    Responder
  13. Picareta!

    Responder
  14. Então, o exercito não é genocida? ou não interessa!

    Responder
  15. Se fosse qualquer outra pessoa que não fosse apoiado pela esquerda, o sujeito já teria sido processado! Mas, um um “doutorzinho” fajuto desses, alimentado pela grande mídia, ganha voz e apavora uma população inteira, isto é, a grande parte da população que é desinformada e, ACREDITA CEGAMENTE em tudo o que leva o nome de “CIÊNCIA”, mesmo que seja falsificada.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês