Covid-19: Italiana grávida se recupera utilizando tratamento com plasma - Revista Oeste

Em 22 abr 2020, 16:55

Covid-19: Italiana grávida se recupera utilizando tratamento com plasma

22 abr 2020, 16:55

“O plasma me fez renascer”, afirmou Patrizia Vincenzi, em sua 24ª semana de gestação

Foto: PxHere

Em Mântua, uma comunidade italiana localizada na região da Lombardia, foi registrado o primeiro caso no mundo de cura da covid-19 por meio de transfusão de sangue de pacientes que já haviam enfrentado a doença.

Patrizia Vincenzi de 28 anos deu entrada no hospital em 9 de abril, na 24ª semana de gestação. Logo foi levada ao departamento de pneumologia, mas não conseguiu se recuperar com os ventiladores respiratórios, o que causaria danos ao feto.

Em meio às notícias, os profissionais decidiram utilizar o plasma — a parte líquida do sangue — de pacientes já recuperados da covid-19, de acordo com o portal italiano La Luce di Maria.

Esse tipo de transfusão já foi utilizada com sucesso no tratamento do mers, em 2012; da sars, em 2003; e da gripe espanhola, em 1918.

“O plasma me fez renascer. Fiquei muito abatida, mas encontrei profissionais extraordinários. A bebê que nascerá será chamada de Beatrice Vittoria. Porque vencemos esta batalha”, afirmou a paciente, que permaneceu 13 dias internada.

Luca Richeldi, diretora de Pneumologia da Policlínica Gemelli, em Roma, explicou: “A terapia plasmática é uma prática médica em vigor desde o fim do século 19, com muita validade e eficácia”.

Plasma no Brasil

Em São Paulo, o Hospital Albert Einstein pediu autorização da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) para fazer tratamento experimental com o plasma de pacientes já recuperados da covid-19. Um tratamento experimental só pode ser iniciado após o aval da Conep.

Nos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA), a agência responsável por regulamentar a fabricação de medicamentos no país, já está fazendo tratamento experimental com o plasma sanguíneo para tentar obter a cura da doença.

Em entrevista ao programa Fantástico, da Rede Globo, o pesquisador e médico oncologista do Albert Einstein Alessandro Leal afirmou que “se trata de um tratamento promissor, visto que a vacina levará de 12 a 18 meses para alcançar sucesso”.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Há urgência na autorização da Conep .

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias