Covid-19: remédio para artrite apresenta bons resultados em pacientes graves - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 20 nov 2020, 16:00

Covid-19: remédio para artrite apresenta bons resultados em pacientes graves

20 nov 2020, 16:00

 De acordo com estudo do Imperial College, tocilizumabe pode evitar resposta imunológica exagerada do organismo

 

congelamento de preços de remédios e planos de saúde

Estudo preliminar envolveu 303 pacientes | Foto: Ilustração/Freepik

Em meio a tantas notícias sobre a eficácia de vacinas ainda em fase de testes, há muitos medicamentos existentes no mercado usados para combater a covid-19. O tocilizumabe, uma droga imunossupressora para tratamento de artrite reumatoide, é mais uma aposta da medicina na recuperação de pacientes de covid-19 grave, que necessitam de suporte para respirar.

O estudo preliminar é conduzido por pesquisadores do Imperial College Londres e mostrou-se eficaz em ensaios clínicos randomizados e controlados envolvendo 303 pacientes, de acordo com informações do jornal Financial Times. Os dados preliminares foram avaliados por um Comitê de Monitoramento de Dados e Segurança, composto por cientistas independentes.

Segundo Anthony Gordon, principal autor do estudo, os participantes foram divididos aleatoriamente para receber diferentes moduladores do sistema imunológico: tocilizumabe, sarilumabe, anakinra ou interferon. Uma parte não fez uso de nenhum medicamento dessa classe, que tem como objetivo evitar que o organismo desencadeie uma resposta exagerada ao vírus, a chamada “tempestade de citocinas”, ligada a danos e falência de órgãos.

Leia mais sobre tratamentos para combater o novo coronavírus — “Covid-19: Precisamos esperar por uma vacina?” 

De acordo com os resultados preliminares, os pacientes que receberam tocilizumabe tiveram maior probabilidade de melhorar do que os que não receberam a droga. Anthony Gordon mostrou-se animado diante dos resultados. “Essas descobertas iniciais mostram que o tratamento com essa droga imunomoduladora é eficaz para pacientes de covid-19 em estado crítico, em unidades de terapia intensiva (UTIs). Quando tivermos os resultados disponíveis de todos os participantes, esperamos que nossas descobertas ofereçam uma orientação clara aos médicos para melhorar o prognóstico desses pacientes mais enfermos”. Entretanto, o pesquisador faz uma ressalva: “É improvável que qualquer medicamento funcione por conta própria, então precisamos encontrar as combinações certas de tratamentos.”

No total, mais de 2 mil pacientes em 15 países, incluindo o Brasil, foram inscritos no estudo em cerca de 260 hospitais de todo o mundo.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

A obsessão da imprensa por Donald Trump

Com o único propósito de ser anti-Trump, a mídia não saberá o que fazer se não puder culpar o bufão laranja por todo o mal que eventualmente venha a acontecer

O Guevara da Daslu

Faça como Doria. Pare diante do espelho, fale meia dúzia de clichês do humanismo de butique e note que você também tem um corpinho de centro-esquerda

A China e a fábula dos pardais

Enquanto o discurso ambientalista foca a Amazônia e as mudanças climáticas, a China segue com suas práticas predatórias e não assume responsabilidades

O gênio e o mito

Maradona não deveria ser uma referência moral para ninguém. Mas é um equívoco não homenageá-lo por seu futebol-arte

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês