Vacina de Oxford suspende testes por suspeita de 'reação adversa séria'

Edição da semana

Em 8 set 2020, 19:48

Covid-19: Vacina de Oxford suspende testes por suspeita de ‘reação adversa séria’

8 set 2020, 19:48

Laboratório informa que a suspensão ocorrerá para “permitir a revisão dos dados de segurança”

vacina de oxford - covid-19 - testes suspensos

Vacina de Oxford: esperança contra a covid-19, mas com testes suspensos | Foto: CANVA

Os testes da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com o laboratório AstraZeneca estão suspensos. De acordo com informações do site de notícias de saúde Stat News, a decisão ocorre após a suspeita de apresentação de “reação adversa séria” em um voluntário no Reino Unido.

Leia mais: “Fabricantes se comprometem com rigor científico da vacina de covid-19”

A equipe do Stat News atribui a um porta-voz do AstraZeneca a informação de que a suspensão ocorrerá para “permitir a revisão dos dados de segurança” da vacina que vem sendo desenvolvida para combater a disseminação da doença provocada pelo novo coronavírus em todo o mundo.

Até o momento, as equipes envolvidas na testagem do imunizante não deram mais detalhes em relação ao caso. Não comentaram por quanto tempo está prevista a suspensão. Também não explicaram quais foram as reações sérias apresentadas pelo voluntário — que teve a identidade preservada.

Testes no Brasil

A vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford conta desde junho com testes realizados no Brasil. Conforme noticiado por Oeste, 2 mil pessoas se voluntariaram para participar dos testes em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Mais: “O que mais mata no Brasil é o tratamento tardio”, entrevista com o médico Roberto Zeballos publicada na Revista Oeste

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Quando é sério nunca é tão fácil. Aguardemos, continuemos acompanhando o noticiário passado por quem é confiável, e principalmente continuemos a fazer a nossa higiene, nossa prevenção, pois o pior já passou é o BRASIL já têm plano de vôo. E vcs Anderson, com está postura profissional estão juntos conosco nessa decolagem vitoriosa! Bom dia

    Responder
    • É isso aí!

      Responder
  2. Essa tão sonhada imunidade dependente , de resultados eficientes
    de vacinas que estão sendo tocadas a toque de caixa, quem chegar
    primeiro com ganhará o mercado, infelizmente ate hoje nenhuma
    comprovou cientificamente o resultado positivo desses testes,
    enquanto não houver um sucesso confirmado de meses e certezas das
    aplicações em voluntariados , que não sofrerão reações perigosas, como vacina HN1, nenhuma é digna de confiança no momento para uso em massa, esse vírus não é da natureza .

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês